Venezuela detém opositor de Chávez acusado de aliança com terroristas

A oposição, porém, diz que prisão de Alejandro Peña Esclusa tem motivação política

EFE |

As autoridades venezuelanas prenderam um opositor e ex-candidato presidencial na noite de segunda-feira, de acordo com informações da agência de notícias do governo.

Alejandro Peña Esclusa, um dos líderes da oposição ao presidente Hugo Chávez e candidato presidencial em 1998, foi preso por seus supostos vínculos com Francisco Chávez Abarca, um salvadorenho detido em 1.º de julho e depois entregue a Cuba, onde é acusado de terrorismo. A oposição afirma, porém, que a prisão tem motivação política.

David Colmenares, diretor de Contrainteligencia do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), que deteve Esclusa em seu domicílio em Caracas, disse que foi encontrado material de "natureza explosiva".

Colmenares admitiu que a detenção foi realizada "graças à informação fornecida pelo terrorista salvadorenho Francisco Chávez Abarca", que momentos antes de ser levado a Cuba admitiu à rede de televisão "VTV" que foi contratado para realizar atentados para desestabilizar o governo de Chávez.

onsultado sobre seus mentores, Abarca, responsabilizado por atentados em Cuba, nomeou explicitamente o agente anticastrista da CIA Luis Posada Carriles, de nacionalidade venezuelana e cubana, acusado por sua vez, entre outros fatos, de fazer explodir um avião cubano com quase 80 pessoas a bordo.

    Leia tudo sobre: VenezuelaHugo Chávezopositorposada carrilescuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG