Venezuela congela bens de líder oposicionista

CARACAS (Reuters) - A Justiça venezuelana congelou o patrimônio do principal líder oposicionista do país, Manoel Rosales, que está foragido devido a acusações de corrupção lançadas pelo governo esquerdista do presidente Hugo Chávez, disseram autoridades na sexta-feira. Um tribunal de Caracas atendeu a um pedido do Ministério Público para congelar os bens de Rosales, ex-candidato a presidente e hoje prefeito da cidade de Maracaibo, a segunda maior do país, de acordo com a procuradora-geral Luisa Ortega. Rosales é acusado de enriquecimento ilícito.

Reuters |

Ela fez um apelo para que Rosales deixe seu esconderijo e compareça à audiência preliminar de segunda-feira, quando a Justiça pode decretar sua prisão preventiva. Ainda não há data para o início do julgamento.

Ortega disse não ter evidências comprovando os rumores de que Rosales teria deixado o país.

Críticos de Chávez dizem que Rosales é alvo de uma caça às bruxas, enquanto simpatizantes do governo afirmam que se trata de um caso comum de corrupção.

As autoridades dizem que o político não foi capaz de explicar a origem de cerca de 60 mil dólares dos seus rendimentos na época em que era governador do Estado de Zulia, grande produtor de petróleo.

(Reportagem de Brian Ellsworth)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG