Veltroni reconhece vitória de Berlusconi em sua despedida do PD

Roma, 18 fev (EFE).- O ex-líder do Partido Democrata (PD), Walter Veltroni, reconheceu hoje, em seu discurso de despedida como chefe da oposição que o primeiro-ministro do país, Silvio Berlusconi, o derrotou na batalha para alcançar a sociedade italiana.

EFE |

"Berlusconi venceu uma batalha de hegemonia na sociedade, pois com seus meios revolucionou o sistema dos valores e construiu um sistema de não valores contra o que é necessário combater com coragem", declarou Veltroni em entrevista coletiva hoje em Roma.

Veltroni apresentou ontem sua renúncia como secretário-geral do PD, após a derrota eleitoral sofrida nas eleições regionais de Sardenha e após horas antes o partido lhe reiterasse sua confiança após ter colocado seu cargo à disposição do partido político.

Em um longo discurso de despedida, como os que costumou pronunciar durante os 16 meses que esteve no comando do PD, o político italiano quis denunciar a mudança que aconteceu nos valores da sociedade de seu país e que Berlusconi soube aproveitar.

Veltroni responsabilizou o povo italiano por não ter sabido reagir diante de alguns comportamentos do atual primeiro-ministro, como as afirmações que fez pelo caso de Eluana Englaro, a jovem em estado vegetativo que a Justiça italiana permitiu morrer ou o desencontro com o presidente Giorgio Napolitano.

"É necessário realizar um trabalho profundo na sociedade" italiana, declarou o ex-secretário-geral do PD, que insistiu na ideia da mudança necessária em seu país e que chegou a pedir perdão por não ter podido alcançá-lo ele mesmo.

"A maldição deste país foi nunca conhecer um ciclo de tipo reformista", que mudasse tudo, inclusive o que em outros países se conhece como princípios políticos, pois "na Itália nunca muda nada", afirmou Veltroni.

Durante seu discurso, Veltroni citou os Estados Unidos como exemplo de mudança em um Governo impulsionado pela sociedade do país e declarou que, se a Itália não contar nunca com um Governo reformista, "não mudará". EFE mcs/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG