Velejadores Scheidt e Prada ganham prata na classe Star

A dupla brasileira de velejadores Robert Scheidt e Bruno Prada conquistou nesta quinta-feira a medalha de prata da Olimpíada de Pequim na classe Star, em uma campanha marcada por um começo ruim e uma forte recuperação nos últimos dias. A dupla acabou a regata final em terceiro lugar, na cidade chinesa de Qingdao.

BBC Brasil |

O ouro ficou com a dupla de velejadores da Grã-Bretanha, Iain Percy e Andrew Simpson, que cruzou a chegada em quinto lugar.

O bronze foi da dupla sueca Fredrik Loof e Anders Ekstorm, que até a véspera da final era favorita para o ouro.

Liderança
Em uma tarde de chuva e vento forte de 112 nós, o barco brasileiro liderou a regata durante a passagem pelas duas primeiras bóias, mas caiu para a quinta posição após a terceira marcação.

Após a passagem, a dupla brasileira conseguiu recuperar o terceiro lugar e ainda deu sorte. O time sueco acabou chegando em último. Com isso, os suecos levaram o bronze e o Brasil acabou com a prata.

Na véspera da final, a dupla sueca Fredrik Loof e Anders Ekstorm estava com 18 pontos de vantagem em relação aos brasileiros e liderava o ranking geral.

Na classificação geral, Brasil e Suécia terminaram empatados em 53 pontos, mas o melhor resultado na regata final deu a prata aos brasileiros. A Grã-Bretanha terminou a classificação geral da Star em primeiro lugar com 45 pontos (na vela, ganha a equipe com menos pontos).

A regata final foi vencida pelos poloneses Mateusz Kusznierewicz e Dominik Zycki, seguidos pelos suíços Flavio Marazzi e Enrico de Maria. Ambas as duplas ficaram sem medalha.

Superação
O terceiro lugar brasileiro na regata final selou uma campanha de superação, que não começou bem, mas foi revertida aos poucos.

No começo da série de dez regatas, os brasileiros chegaram a amargar um 11º e dois 10º lugares, mas conseguiram reverter o mau desempenho a partir da quarta regata, na qual chegou em primeiro lugar.

As chances de medalha só se consolidaram na quarta-feira, quando Scheidt e Prada conquistaram três terceiros lugares consecutivos.

Se Scheidt e Prada tivessem ficado fora das quatro primeiras posições na quarta-feira, possivelmente a dupla não teria mais pontuação suficiente para poder competir pelo pódio.

Na véspera da final, o velejador disse que estava lutando por um bronze.

O vento forte também surpreendeu a dupla, que esperava encontrar na raia de Qingdao o habitual vento fraco e já planejava usar uma vela apropriada para esse tipo de tempo, mas teve de adaptar a estratégia às rajadas fortes.

Promessa
Os velejadores chegaram à Olimpíada de Pequim como grande promessa brasileira da vela, por causa do passado consagrado de Scheidt, apesar de o atleta chegar como estreante na classe.

Com duas medalhas de ouro (Atlanta 1996 e Atenas 2004) e uma de prata (Sidney 2000) na classe Laser, o campeão vinha conseguindo bons resultados na Star nos últimos anos.

A expectativa sobre Scheidt também foi grande pois atualmente a medalha de ouro na classe Star pertence ao Brasil com a vitória em Atenas da dupla Torben Grael e Marcelo Ferreira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG