Veja cronologia dos ataques e do cerco a suspeito na França

Franco-argelino Mohamed Merah, suspeito de ataques contra militares e escola judaica, foi morto por polícia após 32 horas de cerco

iG São Paulo |

Desde o dia 11, três ataques a tiros em Toulouse e na cidade vizinha de Montauban, no sudoeste francês, desataram uma caçada pelo responsável pela morte na França de sete pessoas - três militares, um rabino e três crianças de uma escola judaica. O suspeito foi identificado como o franco-argelino Mohamed Merah , de 23 anos, que morreu nesta quinta-feira com um disparo na cabeça após a polícia invadir seu apartamento, pondo fim a um cerco de 32 horas.

Eleição: Ataques e cerco policial podem beneficiar candidatura de Sarkozy

Reuters
Oficiais mascarados da Raid (unidade de polícia especial francesa) chegam a quartel de Perignon após ação contra suspeito de ataques na França
Galeria de fotos: Veja imagens do terror na França

Saiba mais detalhes sobre os ataques e sobre a morte do suspeito:

- 11 março: Imad Ibn Ziaten, suboficial do primeiro regimento de paraquedistas, 30 anos, é assassinado em um bairro do leste de Toulouse. O atirador chegou em uma moto ao local e disparou na cabeça da vítima, que estava à paisana. Vídeo gravado pelo autor do ataque mostra ele gritando " Você matou meus irmãos, vou te matar ”.

- 15 março: A mesma arma e a mesma scooter são utilizadas para matar, na cidade vizinha de Montauban, outros dois militares de um regimento diferente de paraquedistas: Abel Chennouf e Mohamed Legouade, de 25 e 26 anos, respectivamente. Um terceiro soldado também uniformizado é ferido gravemente depois que o assassino abriu fogo contra eles em um caixa automático antes de fugir.

No vídeo: 'Você matou meus irmãos, vou te matar', disse suspeito de ataque na França

Reuters
Estudante é consolado em frente à escola alvo de ataque em Toulouse, na França
- 19 março: A escola judaico Ozar Hatorah de Toulouse é alvo de um ataque a tiros que deixa o professor de religião e rabino Jonathan Sandler, de 30 anos, e dois de seus três filhos mortos. As crianças tinham 4 e 5 anos. No ataque é assassinada também a filha do diretor da escola, de 7 anos. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, anuncia que elevou o ao nível máximo o alerta antiterrorista na região e mais de 200 investigadores participam de maneira direta na caça do responsável .

- 20 março: Os investigadores trabalham com o perfil de um indivíduo extremamente determinado, com muito sangue frio e objetivos definidos, que era observado havia anos pelos serviços secretos por seus contatos com meios radicais islâmicos. As quatro vítimas do colégio de Toulouse, que tinham a nacionalidade franco-israelense, são transferidas a Israel para o enterro no dia seguinte em Jerusalém .

AP
Eva Sandler, mulher de rabino e duas crianças mortas em ataque à escola na França, chora durante funeral em Jerusalém
- 21 março: Cerca de 3h local (23h de 20 de março em Brasília), suposto assassino é cercado pelos serviços de segurança em um bairro residencial de Toulouse. Polícia tenta lançar sua primeira intervenção no local, mas aborta depois que vários agentes ficam feridos. No início da tarde, ocorre em  Montauban uma cerimônia de homenagem aos três militares mortos. Participam Sarkozy, vários ministros e os principais candidatos às eleições presidenciais de abril e maio. Após 18 horas de cerco, é cortada a energia elétrica do prédio, que havia sido esvaziado previamente. O suspeito se define perante os negociadores como um membro da rede terrorista Al-Qaeda e assume a responsabilidade pelos três ataques. Às 19h34 de Brasília são ouvidas várias explosões que, segundo o Ministério do Interior, procuram aumentar a pressão sobre o assassino confesso, que devia ser capturado vivo.

Ministro francês: Suspeito diz que foi instruído por Al-Qaeda no Paquistão 

- 22 março: Desde a madrugada, membros do corpo de elite Raid mantêm as explosões como medida de pressão para que o suspeito se entregue. A polícia invade às 10h30 local (6h30 em Brasília) a residência de Merah, que espera os agentes armado no banheiro. O promotor antiterrorismo da França, Francois Molins, anuncia que suspeito é morto por um disparo na cabeça feito por um franco-atirador quando tentava fugir ao pular da janela de seu apartamento. Sarkozy faz discurso televisionado no Palácio do Eliseu e promete uma reforma legislativa com medidas penais contra quem faça "apologia do terrorismo" ou da violência e aos que viajam ao exterior para serem doutrinados em ideologias extremistas. O presidente também afirma que "a unidade" deve ser agora a prioridade do país.

Erros de inteligência: Vigilância é questionada e governo fica na defensiva na França

AP
Bombeiros franceses partem após ação policial contra suspeito de ataques contra militares e escola judaica em Toulouse
*Com EFE

    Leia tudo sobre: françatoulouseescola judaicajudeus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG