Vazamento em rio na China ameaça chegar à Rússia

Autoridades do nordeste do país avaliam risco após analisar amostras de água que demonstram que existe contaminação química

EFE |

Pequim - As autoridades do nordeste da China reconheceram hoje que o vazamento químico de 7.000 barris no rio Songhua na província de Jilin chegou até a vizinha Heilongjiang, na fronteira com a Rússia, informou hoje a imprensa chinesa.

Em declarações recolhidas pela agência oficial de notícias "Xinhua", Du Jiahao, vice-governador de Heilongjiang, assinalou que as amostras de água do rio Songhua analisadas demonstram que existe contaminação por vazamentos químicos, apesar de as autoridades de Jilin terem assegurado que o derramamento era mínimo e inócuo.

Conhecido também por seu nome manchúrio, Sungari, e principal afluente do rio Amur, que divide a fronteira entre China e Rússia, as águas afetadas do rio Songhua chegaram à vizinha província de Heilongjiang na tarde de ontem, assegurou Du.

O jornal "South China Morning Post", as autoridades reconheceram que não puderam frear a entrada do vazamento químico em Heilongjiang, de onde pode chegar até a Rússia quando as águas contaminadas do Songhua desembocarem no Amur.

Não é a primeira vez que catástrofes ecológicas sofridas pela China devido a uma industrialização descontrolada afetam países vizinhos, já que o Songhua foi palco de outro vazamento químico que chegou até a Rússia em 2005, com um grave dano para o ecossistema.

* Com EFE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG