Vaticano promete ação legal contra anúncio da Benetton com papa

Para Santa Sé, fotomontagem de Bento 16 'beijando' imã egípcio é ofensiva e feriu sensibilidade de fiéis

iG São Paulo |

O Vaticano disse nesta quinta-feira que tomará medidas legais contra a distribuição, mesmo na mídia, de uma fotomontagem de um anúncio da Benetton que mostra o papa Bento 16 beijando nos lábios Ahmed Mohamed el-Tayeb, imã sunita da mesquita de Al-Azhar, no Cairo. Não ficou claro se o Vaticano pretende processar a Benetton diretamente pelos danos causados.

Reprodução
Anúncio mostra papa Bento 16 "beijando" Ahmed Mohamed el-Tayeb, imã da mesquita de Al-Azhar, no Cairo
Leia também: Campanha contra o ódio mostra beijos entre líderes mundiais

Saiba mais: Benetton retira foto de beijo entre papa e imã

"Encarregamos nossos advogados para que empreendam na Itália e no exterior as oportunas ações legais para impedir a circulação nos meios de comunicação da fotomontagem feita no âmbito de uma campanha de publicidade da Benetton", anunciou o Vaticano em uma nota oficial. Na declaração, a Secretaria de Estado da Santa Sé afirma que a imagem é "ofensiva não apenas para a dignidade do papa e da Igreja Católica, mas também para a sensibilidade dos fiéis".

A nova campanha da United Colors of Benetton chamada "UNHATE" (não odeie, em tradução livre), foi apresentada, oficialmente, no início da tarde de quarta-feira por Alessandro Benetton, vice-presidente do grupo, em Paris.

A Benetton retirou a fotomontagem do papa imediatamente depois de seu lançamento, assim que o Vaticano a descreveu como uma provocação inaceitável. A empresa disse que a campanha, que mostra supostos inimigos políticos se beijando , tinha o objetivo de fomentar a tolerância. "Lembramos que o sentido dessa campanha era exclusivamente combater a cultura do ódio sob todas as formas", comentou, em comunicado, um porta-voz do grupo.

Uma grande faixa com a imagem do papa e do imã foi pendurada em uma ponte perto do Vaticano na manhã de quarta-feira, mas foi posteriormente removida. Mas na manhã desta quinta-feira a foto ainda estava na vitrine de uma loja na praça Fontana de Trevi, um dos locais turísticos mais populares de Roma. Além disso, a montagem ainda estava amplamente disponível na internet pela manhã.

As relações entre o papa e o imã de Al-Azhar são difíceis, principalmente depois que Bento 16 expressou solidariedade às vítimas do atentado que deixou 21 mortos numa igreja de Alexandria, em 1º de janeiro.

Mahmud Azab, assessor do imã para o diálogo interreligioso no Cairo, também criticou a fotomontagem, afirmando que a propaganda é "irresponsável e absurda". Apesar disso, afirmou que ainda estava sendo avaliado se valia a pena contestar oficialmente o anúncio, "já que isso carece de seriedade".

A peça publicitária inclui, também, um beijo trocado entre Hugo Chávez e Barack Obama, em nome da luta "contra o ódio" e uma cena tórrida entre Obama e o presidente chinês, Hu Jintao, colocada primeiramente em um banner diante da catedral de Milão. Nesta quinta-feira, o porta-voz da Casa Branca Eric Schultz desaprovou a campanha, afirmando que os EUA discordam do uso da imagem do presidente americano para fins comerciais .

Leia também: Casa Branca desaprova uso de imagem de Obama pela Benetton

Mas a foto de Bento 16 e o imã egípcio foi considerada a mais polêmica das outras seis montagens, que incluem troca de beijos entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, e entre o presidente palestino, Mahmud Abbas, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O grupo Benetton e seu fotógrafo Oliviero Toscani tornaram-se célebres por suas fotos provocadoras nos anos 90, entre elas a de uma irmã de caridade sedutora, que se apresenta vestida num hábito branco beijando um jovem padre de batina preta.

*Com AFP, AP e Reuters

    Leia tudo sobre: benettonpapabento 16vaticanounhateitália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG