Cidade do Vaticano, 25 mar (EFE).- O Vaticano explicou hoje que o reverendo Lawrence Murphy, um sacerdote da Arquidiocese de Milwaukee (Estados Unidos) que abusou sexualmente de cerca de 200 menores surdos, não foi castigado por que o caso só foi descoberto depois de 20 anos, quando ele já estava muito doente.

O porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi, reconhece o "terrível sofrimento das vítimas" e assegura que Murphy "violou a lei e, o que é mais importante, a confiança que suas vítimas tinham nele".

As declarações de Lombardi são as mesmas que ele enviou previamente ao jornal americano "The New York Times", que informou hoje em seu site que as maiores autoridades do Vaticano, incluído o então cardeal Joseph Ratzinger, que anos mais tarde se tornaria o papa Bento XVI, encobriram o sacerdote americano em um caso de pedofilia.

O jornal teve acesso a documentos que procedem do processo judicial aberta contra o reverendo Lawrence Murphy, que trabalhou durante mais de 20 anos, entre 1950 e 1974, em uma escola para crianças surdas do estado americano de Wisconsin.

Segundo o "New York Times", Ratzinger, que era governador regional da Congregação para a doutrina da Fé, e outros responsáveis eclesiásticos discutiram a expulsão do padre, mas a prioridade maior foi proteger a Igreja do escândalo.

Segundo Lombardi, "a Congregação para a Doutrina da Fé não foi informada do assunto até cerca de 20 anos mais tarde. No final dos anos 1990, depois de mais de duas décadas, a Congregação foi questionada sobre como tratar o caso Murphy dentro da igreja".

O porta-voz vaticano destaca que "a pergunta que foi apresentada à Congregação não tinha relação com procedimento civil algum ou com processos judiciais contra o padre Murphy".

"Em tais casos - acrescenta Lombardi - o Código de Direito canônico não prevê penas automáticas, mas recomenda que seja feito um julgamento considerando a maior pena eclesiástica, que é a expulsão do estado clerical".

Por isso, acrescenta Lombardi, "visto que o padre Murphy era idoso, sua saúde era precária, vivia em isolamento e não havia novas acusações nos últimos 20 anos, a Congregação para a Doutrina da Fé tomou em consideração a restrição e pediu que aceitasse a responsabilidade por seus graves atos".

O Vaticano ressalta ainda que Murphy morreu aproximadamente quatro meses mais tarde.

No texto, o porta-voz também deixa claro que nem no documento vaticano "Crimen Sollicitationis", escrito em 1962, e que traz instruções aos bispos sobre como enfrentar as acusações de abuso de menores, nem no Código de Direito é "proibido denunciar os delitos de abusos a menores às autoridades judiciais".

ccg/fm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.