Vaticano discutirá fé e ciência por ocasião do bicentenário de Darwin

Por ocasião do bicentenário do biólogo inglês Charles Darwin, o Vaticano vai discutir em março próximo as controvertidas teorias da evolução que tentam mostrar cientificamente a intervenção divina na evolução das espécies.

AFP |

Cientistas e teólogos se reunirão em Roma, de 3 a 7 de março, para abordar com 'espírito crítico' a herança de Charles Darwin, que desmentiu a crença de uma criação divina e fundou a biologia moderna.

A reunião, organizada pelo Vaticano, demonstra a exigência cada vez maior da Igreja de estabelecer um "diálogo entre ciência e fé", assegurou o monsenhor Gianfranco Ravasi, ministro da Cultura do Vaticano.

"Nenhuma das duas conseguiu explicar a complexidade do mistério do homem", enfatizou.

Ravasi não quis avaliar a teoria do "desenho inteligente", em voga em alguns setores cristãos e que não rejeita as descobertas científicas como acontece como as teorias dos chamados Criacionistas.

A maioria dos cristãos aceita hoje em dia, excetuando-se os Criacionistas, o princípio da evolução, mas o papel desempenhado aletoriamente no aparecimento das variações ou de novas espécies continua sendo para muitos um ponto difícil.

Para o teólogo italiano Giuseppe Tanzella-Nitti, existe muita confusão entre o âmbito científico e o religioso.

"A Igreja católica considera que a evolução é, no fundo, a maneira com que Deus criou o universo e está convicta de que nenhum dos mecanismos da evolução se opõem à afirmação que Deus quis e criou o Homem", explicou.

As conferências serão realizadas na Universidade Pontifícia Gregoriana paralelamente às celebrações organizadas em todo mundo pelos 200 anos de nascimento de Darwin.

bur-kv/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG