Vaticano defende posição do papa sobre camisinhas após críticas

Por Philip Pullella IAUNDÊ (Reuters) - O Vaticano defendeu nesta quarta-feira a oposição do papa Bento 16 ao uso de camisinhas como meio de prevenir a Aids, enquanto ativistas, médicos e políticos criticaram a posição, dizendo que é perigosa, não é real nem científica.

Reuters |

Em sua chegada à África na terça-feira, Bento disse que as camisinhas "aumentam o problema" da Aids. O comentário, feito a jornalistas a bordo do avião em que ele viajava, desencadeou uma tempestade mundial de críticas.

"Minha reação é que isso representa um grande retrocesso em termos de educação global para a saúde, é inteiramente contraproducente e provavelmente levará ao aumento das contaminações por HIV na África e em outras partes do mundo", disse o professor Quentin Sattentau, professor de Imunologia na Universidade Oxford, na Inglaterra.

"Existe um conjunto grande de evidências publicadas que demonstram que o uso do preservativo reduz o risco de se contrair o HIV, mas não leva ao aumento da atividade sexual", disse o professor.

A Igreja ensina que as melhores maneiras de prevenir a Aids são a fidelidade dentro de um casamento heterossexual e a abstinência sexual.

Indagado sobre as críticas, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse que o papa "está mantendo a posição de seus predecessores".

O Vaticano também diz que o uso de camisinhas pode levar a comportamentos de risco, mas muitos contestam essa visão.

Kevin De Cock, diretor do departamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) que se ocupa do HIV/Aids, disse que não há evidências científicas que indiquem que o uso da camisinha incentiva as pessoas a assumir mais riscos sexuais.

"A orientação que damos é que a camisinha é altamente eficaz para prevenir a transmissão do HIV, se for usada corretamente e sempre", disse ele em entrevista telefônica.

De Cock disse que a abstinência e a redução do número de parceiros também são necessárias e elogiou os grupos de base religiosa, observando que muitas organizações beneficentes católicas dão tratamento a soropositivos em algumas das partes mais pobres e isoladas do mundo.

O HIV, o vírus que pode levar à Aids, contamina 33 milhões de pessoas em todo o mundo e já resultou em 25 milhões de mortes.

ATIVISTAS CRITICAM DECLARAÇÕES DO PAPA

"Qualquer coisa que reduza a Aids num continente em situação precária, como a África, deveria ser bem-vinda", disse o advogado Adeleke Agbola, coordenador nacional da Rede de Pessoas que Convivem com o HIV/Aids na Nigéria (NEPWHAN).

"Que o papa diga que a camisinha não é boa é como alguém afirmar que viajar de avião não é 100 por cento seguro, portanto não devemos viajar", disse o médico Matemilola, que é soropositivo há mais de uma década.

Um editorial do New York Times disse que o papa "não merece crédito algum quando distorce descobertas científicas" sobre a camisinha.

A França também expressou "preocupação muito grande".

Houve também alguns sinais de discordância interna na Igreja.

"Qualquer pessoa que tenha Aids e seja sexualmente ativa, qualquer pessoa que procure múltiplos parceiros, precisa proteger a si mesma e aos outros", disse Hans-Jochen Jaschke, bispo católico auxiliar de Hamburgo, na Alemanha, o país nativo do papa.

"Portanto não deve haver tabus quanto ao uso da camisinha, mas também não deve haver mitos ou trivialização, como se a camisinha pudesse pôr o mundo em ordem. A camisinha pode proteger, mas os homens frequentemente a rejeita", acrescentou o bispo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG