Vaticano condena decisão de morte assistida de italiana em coma há 16 anos

O Vaticano condenou como uma forma de eutanásia a decisão da justiça italiana de autorizar a interrupção da alimentação de uma mulher em coma há mais de 16 anos, informou nesta quarta-feira à agência Ansa o monsenhor Rino Fisichella, presidente da Pontifícia Academia pela Vida.

AFP |

A Corte de Apelações de Milão autorizou ao pai de Eluana Englaro a interromper a hidratação e alimentação artificiais que mantêm com vida sua filha desde 18 de janeiro de 1992, quando um acidente de carro a levou ao coma do qual nunca mais saiu.

Eluana Englaro está hospitalizada desde essa data num coma considerado irreversível pelos médicos, e seu pai reclama desde 1999 a suspensão de seu tratamento.

"De fato é aplicação de eutanásia", declarou o monsenhor Fisichella, que considerou que se deve apresentar recurso ante uma corte superior.

jm/ema/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG