direito de morrer não existe - Mundo - iG" /

Vaticano: direito de morrer não existe

O ministro da Saúde do Vaticano, o cardeal mexicano Javier Lozano Barragán, afirmou nesta sexta-feira que, para a Igreja católica, o direito de morrer não existe, ao condenar uma decisão da justiça italiana de autorizar que uma mulher há 16 anos em coma deixe de receber alimentação.

AFP |

"A vida é sagrada. Não existe o direito a morrer", declarou o presidente do Conselho Pontifício para a Saúde, em entrevista ao jornal La Stampa.

"Não dar de comer e beber a Eluana é como cometer um assassinato, é deixar alguém morrer de fome e de sede, condená-la a um final monstruoso", destacou o cardeal.

A Corte de Apelação da Itália decidiu na quinta-feira suspender o último obstáculo legal que impedia que a paciente, em coma desde 1992, parasse de ser alimentada, como deseja seu pai.

O caso gerou uma grande polêmica no país, onde setores da sociedade pedem que o chamado "testamento biológico", que assegura uma morte digna caso a pessoa fique irreversivelmente inconsciente, seja implementado.

Religiosas da clínica onde Eluana está internada, perto de Milão, são contra a transferência da paciente e se ofereceram para cuidar dela até o fim natural de seus dias.

"Se algumas pessoas a consideram morta, então deixem-na conosco, porque para nós ela está viva. Nada pedimos em troca, só o silêncio e a liberdade de amar e ajudar os fracos", declararam as religiosas em um comunicado.

Eluana pode ser transferida para outra clínica da Itália, porque aquela onde está atualmente e as instituições da região são abertamente católicas e, por isso, negam-se a cumprir a decisão judicial.

bur-ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG