Cidade do Vaticano, 30 jan (EFE).- O Vaticano voltou hoje a condenar o Holocausto e a negação do mesmo feita por um bispo e um sacerdote lefebvriano, ao afirmar que quem nega este episódio ignora a cruz e que é muito grave que este revisionismo saia da boca de um sacerdote ou de um prelado.

"Quem nega a Shoah (Holocausto) não sabe nada nem do mistério de Deus nem da Cruz de Cristo e é muito mais grave se a negação sai da boca de um sacerdote ou de um bispo, ou seja, de um ministro cristão, esteja unido ou não à Igreja Católica", afirmou hoje o porta-voz do Vaticano, o jesuíta Federico Lombardi.

Em um editorial intitulado "Shoah e mistério de Deus", lido na "Rádio Vaticano", Lombardi lembrou as palavras de Bento XVI no último dia 28 quando disse que a Shoah "tem que fazer refletir sobre o imprevisível poder do mal quando conquista o coração do homem".

O jesuíta afirmou que Bento XVI "não só condenou qualquer forma de esquecimento e de negação da tragédia do extermino de seis milhões de judeus", mas também pediu um exame de consciência de cada homem para que se pergunte pelas causas desta tragédia.

Lombardi acrescentou: "não podemos e não devemos negar o Holocausto".

Com este novo discurso de Lombardi, o Vaticano condena as afirmações do bispo Richard Williamson, que negou o Holocausto e a existência das câmaras de gás, e as pronunciadas ontem pelo sacerdote lefebvrianos Floriano Abrahamowicz, que apoiou as teses revisionistas de seu companheiro. EFE jl/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.