Van Rompuy assume Conselho Europeu para fortalecer liderança do continente

Bruxelas, 31 dez (EFE).- O ex-primeiro-ministro belga, Herman Van Rompuy, assume amanhã oficialmente o cargo de primeiro presidente estável do Conselho Europeu, a instância executiva mais importante da União Europeia (UE), com o desafio de fortalecer a liderança do continente no mundo.

EFE |

Van Rompuy foi eleito em 19 de novembro pelos chefes de Estado e de Governo dos 27 países-membros do bloco e oficialmente nomeado em 1º de dezembro, com a entrada em vigor do Tratado de Lisboa.

O político belga ocupará o posto durante os próximos dois anos e meio com a possibilidade de renovar o mandato por uma vez. Ele terá a tarefa de dirigir e incentivar as reuniões dos líderes, assegurar sua preparação e continuidade, facilitar o consenso e representar a UE diante de outros líderes mundiais, segundo o tratado.

Van Rompuy já enumerou algumas das prioridades de seu mandato, como a luta contra a mudança climática, o aumento da segurança, a melhora da justiça e, especialmente, superar a crise econômica e marcar a agenda de reformas na economia para os próximos 20 anos.

O belga começa neste primeiro dia de 2010 uma viagem oficial que o levará de Paris a Madri, passando por Milão, pelos países bálticos, Londres, Ljubljana, Sófia, Copenhague e Luxemburgo para começar a recolher os pontos de vista dos líderes sobre estes temas.

"Minha primeira prioridade foi falar com meus colegas do Conselho Europeu", explicou Van Rompuy.

Além disso, o presidente do Conselho Europeu deverá encarar dois objetivos: definir os contornos de seu novo cargo, além do estipulado no tratado, ao ser a primeira pessoa a ocupá-lo; e fortalecer a liderança da UE no mundo.

"A UE está no caminho para colher os benefícios do Tratado de Lisboa, entre eles instituições mais efetivas que sejam capazes de proporcionar resultados para os cidadãos, para ser capaz de ocupar o peso que lhe corresponde na cena internacional", disse Van Rompuy em comunicado enviado ontem pela Presidência rotativa da UE, ainda ocupada pela Suécia.

Van Rompuy também declarou sua intenção de fortalecer o Conselho Europeu, uma das quatro instituições políticas reconhecidas pelo novo tratado - as outras são a Comissão Europeia, o Conselho de Ministros e o Parlamento Europeu -, e que reúne pelo menos uma vez a cada três meses os governantes dos Estados-membros da UE.

Embora o belga venha a ser conhecido popularmente como "o presidente da UE", ele será apenas o "presidente do Conselho Europeu". EFE mgs/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG