Vacina atual não protege contra gripe suína, dizem especialistas

Por Michael Kahn LONDRES (Reuters) - As atuais vacinas contra a gripe não impedirão a difusão da nova gripe suína pelo mundo, mas quem recebe a imunização anualmente pode acabar enfrentando sintomas mais leves, disseram especialistas na segunda-feira

Reuters |

A gripe pode ter matado até 149 pessoas no México e chegou aos EUA, ao Canadá e à Europa, gerando temores de uma pandemia (epidemia global).

A chamada gripe suína é uma variação do vírus H1N1, da "influenza" (tipo de gripe) humana. Mutações desta cepa circulam há anos na população humana, e a atual vacina contra a gripe sazonal (comum) é feita para proteger contra o H1N1.

Mas exames mostram que o componente do H1N1 na atual vacina sazonal não protege contra a nova cepa, embora possa garantir alguns benefícios, segundo especialistas.

"Pode muito bem haver alguma imunidade ao H1N1 no nível populacional que forneça algum grau de proteção", disse John McConnell, editor da revista Lancet Infectious Diseases.

Embora o vírus não tenha provocado mortes fora do México, ele se espalha rapidamente entre humanos, o que faz as autoridades temerem que ele provoque uma pandemia há décadas esperada pelos cientistas.

Os especialistas concordam que o atual processo de fabricação de vacinas é complicado e antiquado, mas dizem que uma nova tecnologia ainda vai demorar muitos anos.

Pelo menos 20 laboratórios produzem vacinas contra a gripe, inclusive Sanofi Pasteur, CSL, GlaxoSmithKline, Novartis, Baxter e MedImmune, adquirido pela AstraZeneca.

"Claramente, se o vírus evoluir para uma pandemia, a primeira onda vai chegar e ir embora antes que uma vacina tenha sido produzida", disse por telefone Karl Nicholson, da Universidade de Leicester, na Grã-Bretanha.

"Há essa percepção de que não podemos fazer uma vacina a tempo, de modo que devemos preparar as populações."

Mesmo a vacina existente não tem a difusão ideal. Nos EUA, por exemplo, as autoridades recomendaram que 261 milhões de pessoas (85 por cento da população) se vacinassem, mas uma pesquisa da consultoria Rand Corp., em dezembro, mostrou que apenas um terço desse grupo se vacinou.

Outros especialistas disseram que, sendo a gripe suína apenas parcialmente relacionada às cepas humanas, as vacinas atuais não serão eficazes na produção de anticorpos úteis.

(Reportagem de Michael Kahn)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG