Uso de celular pode provocar desenvolvimento de vários tipos de câncer

Bruxelas, 15 out (EFE).- O uso do telefone celular pode provocar a longo prazo o desenvolvimento de vários tipos de câncer, indicam os resultados preliminares do estudo Interphone, realizado pelo Centro Internacional de Pesquisa sobre o Câncer.

EFE |

O relatório, publicado hoje pelo jornal "Le Soir", é o maior estudo deste tipo realizado até o momento e reúne informações de 13 países (Alemanha, Austrália, Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Israel, Itália, Japão, Nova Zelândia, Noruega, Suécia e Reino Unido).

Para realizá-lo foi usado um protocolo comum que analisou quatro tipos de câncer: gliomas, meningiomas, neurinomas e tumores nas parótidas (glândulas salivares situadas nos dois lados do rosto).

Sobre os gliomas, um tipo de câncer de cérebro, o relatório revela um aumento do risco de o mesmo se desenvolver por causa do uso de celulares durante um período de dez anos ou mais.

Os estudos realizados demonstram que o risco de desenvolver um glioma entre os usuários que estão há mais de uma década usando o celular é 60% maior que o resto da população nos países escandinavos, enquanto na França a percentagem alcança 100% e na Alemanha supera esta marca (120%).

Por outro lado, embora os resultados indiquem que falar com celular não parece incidir no desenvolvimento de meningiomas, se evidenciam que um uso intensivo destes aparelhos pode levar ao aumento dos casos de neurinomas, acrescenta o relatório.

Por último, embora os resultados globais não pareçam revelar um aumento do risco no caso dos tumores nas parótidas, o estudo israelense, realizado em meio a indivíduos que usavam o celular de forma intensiva, "permite pensar que existe uma relação".

A coordenadora do estudo, Elisabeth Cardis, afirmou ao "Le Soir" que os resultados do relatório "não têm o valor de uma publicação definitiva", texto que será divulgado em 2009.

Segundo esta especialista, é prematuro planejar a revisão de normas, mas convém "reagir com prudência e recomendar às crianças que usem o celular de forma razoável e dando prioridade aos telefones fixos". EFE mb/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG