VIENNA, Áustria - Uma estudante de 13 anos comemorou as férias de primavera no sul da Áustria com uma garrafa de schnapps. Ela foi parar na Unidade de Tratamento Intensivo.

Em outros países em toda a Europa os adolescentes chegam às manchetes de jornais por beber em excesso, geralmente desmaiando no processo.

Eles fazem isso em idades cada vez mais precoces: um relatório de 2006 da União Européia afirma que quase todos os estudantes europeus entre 15 e 16 anos já beberam álcool em algum momento e, em média, começam a fazer isso com 12 anos e meio.

Os dados advêm de uma pesquisa realizada em 2003 pelo Projeto de Pesquisa da Escola Européia sobre Álcool e outras Drogas.

Mais de um em cada seis já beberam em excesso - cinco ou mais bebidas em uma ocasião - três ou mais vezes no último mês, afirma um relatório realizado pelo Instituto de Estudos do Álcool, baseado em Londres. Ele exclui os recém-chegados ao bloco Bulgária e Romênia.

Ao contrário dos Estados Unidos, onde mesmo os adultos têm que mostrar identidade para comprar cerveja e outras bebidas alcoólicas, as leis européias são mais relaxadas e a idade em que a bebida é permitida varia entre 16 e 18 anos.

Bebidas podem ser compradas nos supermercados, ao contrário dos EUA, garrafas e latas são mantidas em áreas supostamente fora do alcance de menores, mas identidades são raramente exigidas.

Na Áustria - onde o hábito é conhecido como "Komatrinken" ou beber até o coma - uma nova lei proíbe a venda de álcool para menores de 16 ou 18 anos, dependendo da região, e exige que os caixas e estabelecimentos peçam identidades quando em dúvida. O não cumprimento da lei pode resultar em uma multa de US$5.610 ou perda da licença.

"Quando se trata do hábito de beber até o coma entre os jovens falamos de um fenômeno que precisa ser combatido", disse o ministro da economia Martin Bartenstein.

As autoridades e especialistas reconhecem que a questão não será resolvida facilmente.

A OMS estima que cerca de 76.3 milhões de pessoas com desordens relacionadas ao álcool em todo o mundo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.