Urumqi, na China, fecha 200 maiores mesquitas para evitar mais violência

Marga Zambrana. Urumqi (China), 10 jul (EFE).- As 200 maiores mesquitas da cidade muçulmana chinesa de Urumqi permaneceram fechadas hoje, dia de culto desta religião, para evitar mais distúrbios étnicos como os do domingo passado, os piores no país em duas décadas, com pelo menos 156 mortos e mil feridos.

EFE |

No entanto, a medida não pôde evitar protestos nos acessos aos templos, como aconteceu na Mesquita Branca, quando um grupo da etnia uigur muçulmana convocou um pequeno protesto que colocou à prova o desdobramento militar.

Outro incidente aconteceu na mesquita de Döng Körük, no epicentro da violência, onde cerca de mil uigures conseguiram finalmente entrar no templo para orar, após passar a semana escondidos em suas casas devido aos linchamentos que sofrem por parte da etnia majoritária chinesa han desde terça-feira passada.

Os chineses han acusam os uigures de ter provocado o massacre do domingo, após o qual foram detidos mais de 1.400 uigures, enquanto estes, reconhecendo que houve membros de sua etnia que atacaram chineses han, dizem que a maioria dos mortos aconteceu por causa da repressão policial chinesa.

O protesto acabou ficando violento depois que um grupo de estudantes uigures organizou uma manifestação para criticar a passividade de Pequim pelo linchamento e morte de dois membros desta minoria no sul da China.

Segundo testemunhas, as equipes antidistúrbios posicionadas hoje na Mesquita Branca detiveram vários dos uigures que protestavam por seu fechamento, enquanto na de Yang Hang, a maior na cidade, com capacidade para 3.000 devotos, as autoridades informaram do fechamento "para a segurança do público".

"Quem quiser cumprir com o "salah" ou reza, um dos cinco pilares do Islã, que o faça em casa", diziam as notas coladas nos muros das mesquitas, fechadas toda a semana.

O fechamento hoje dos templos fez aumentar a tensão entre a minoria uigur, já que outras mesquitas de menor tamanho frequentadas pela minoria Hui, de traços similares aos chineses, mas muçulmanos, permaneceram abertas.

A confusão, o caos de dados e as acusações mútuas continuam no meio do que as autoridades chinesas asseguram que é uma volta à normalidade, forçada graças ao desdobramento de mais de 20 mil soldados policiais e militares.

Os grupos uigures no exílio asseguram que o número real de vítimas é de até 800, uma suspeita que compartilham chineses e estrangeiros residentes em Urumqi contatados pela Agência Efe.

A capital da província muçulmana chinesa de Xinjiang está sob lei marcial desde segunda-feira, e o toque de recolher voltou a ser imposto hoje, depois de ter sido levantado à meia-noite de quinta-feira.

Embora ontem a cidade tenha voltado a uma aparente normalidade - os uigures começavam a sair de novo às ruas para montar suas bancas de frutas e verduras e para consertar os estragos causados pelos han - o protesto de hoje demonstra a fragilidade desta "paz".

Os chineses saíram na terça-feira em uníssono para as ruas - apesar do corte de comunicações como internet, telefonia fixa e as mensagens de texto de celulares -, armados com paus e inclusive armas brancas, com os quais atacaram os negócios dos uigures e lincharam seus membros como vingança pela violência do domingo.

Hoje o Birô de Assuntos Civis de Urumqi informou que "as famílias de civis inocentes mortos no domingo" receberão uma compensação de quase US$ 30 mil por falecido.

Xinjiang, uma região do tamanho da Europa Ocidental povoada por centro-asiáticos, caucásicos, chineses e turcos há séculos, é junto ao Tibete um dos barris de pólvora étnicos do oeste da China, mas irrenunciável para a terceira potência econômica por sua riqueza em petróleo e outros recursos naturais.

"Estes protestos, como os do Tibete de há 18 meses, refletem a profunda falha das políticas étnicas de Pequim", assinalou hoje Nicholas Bequelin, pesquisador da ONG de direitos humanos Human Rights Watch.

"Os uigures, como os tibetanos, têm uma história, cultura, religião e idioma diferentes do resto da China, formados em um círculo de oásis da Rota da Seda", acrescentou.

Após alternar séculos de independência, invasões e protetorados chineses, as tropas comunistas entraram na região em 1949 e desde então o número de colonos, emigrantes pobres procedentes de outras áreas chinesas, passou de 6% para 40% dos 20 milhões de xinjianeses, diz Bequelin ao explicar o conflito.

Os uigures, de origem turca, viram nas últimas décadas como um bom número de chineses han, mas nem todos, aumentaram sua prosperidade, enquanto a maior parte da etnia local vive na pobreza e afastada do milagre econômico chinês.

O conflito étnico se estende por toda a região, já que as autoridades em Kashgar, a segunda cidade em importância, estão pedindo aos estrangeiros que vão embora por sua segurança, explicou à Efe uma norte-americana residente na China, enquanto os chineses han estão abandonando a região por trem e por avião. EFE mz/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG