A Chancelaria uruguaia reforçou nesta quinta-feira seu pedido de extradição ao Brasil do ex-repressor Manuel Cordero, acusado de violações dos direitos humanos cometidas durante a ditadura (1973-1985), informaram nesta quinta-feira fontes diplomáticas.

"A solicitação do juiz Luis Charles amplia as imputações, pelo desaparecimento de (em 1976, na Argentina, dos militantes de esquerda) Gerardo Gatti, León Duarte e Alberto Mechoso", revelou à AFP um funcionário da Chancelaria.

Cordero é acusado por desaparecimentos, torturas e assassinatos cometidos contra cidadãos uruguaios no centro clandestino de detenção 'Automotores Orletti', em Buenos Aires.

Após permanecer três anos foragido, Cordero, ex-coronel e agente de Inteligência do Exército uruguaio, foi detido em fevereiro de 2007, na cidade brasileira de Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai.

Em 12 de setembro passado, o juiz do Supremo Tribunal Federal do Brasil, Marco Aurélio Mello, votou contra a extradição de Cordero por considerar que os crimes já prescreveram.

fb/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.