LIMA (Reuters) - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, acusou na sexta-feira seu colega colombiano Alvaro Uribe de ser um pregoeiro da desunião entre os países sul-americanos, em declarações que recrudesceram ainda mais a crise entre os países vizinhos. Durante uma cúpula chefes de Estado da América Latina, do Caribe e da Europa, Chávez declarou que já não tem esperanças de restabelecer boas relações com a Colômbia, apesar de o país ser o principal parceiro comercial da Venezuela e de compartilhar com ela uma extensa fronteira.

'Uribe é um pregoeiro da desunião', disse Chávez em Lima, sede da cúpula, na qual ambos os presidentes não se falaram, apesar de ter havido várias reuniões bilaterais com outros mandatários.

Ao ser questionado pela Reuters sobre a possibilidade de que a situação entre ambos os países melhore, ele comentou:

'Tomara que haja possibilidade, mas neste momento está muito mal. Isso é tudo o que eu posso dizer, lamentavelmente', afirmou.

Os ânimos se acirraram na quinta-feira, depois que a Interpol certificou a autenticidade de arquivos retirados de um computador de Raúl Reyes, líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que segundo Bogotá demonstram os laços de Caracas e Quito com o grupo guerrilheiro.

Os desencontros entre Caracas e Bogotá começaram no início do ano, quando o direitista Uribe retirou do esquerdista Chávez a mediação das negociações para libertar reféns nas mãos das Farc.

A tensão chegou ao ápice em fevereiro, depois que a Colômbia executou uma ação em território equatoriano que resultou na morte do guerrilheiro das Farc Raúl Reyes.

A ação fez com que Venezuela e Equador rompessem relações com Bogotá.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.