Bogotá, 13 jul (EFE).- O presidente colombiano, Álvaro Uribe, pediu hoje a todos os porta-vozes do Governo total prudência, para manter o clima que permitiu retomar as relações diplomáticas com a Venezuela.

"O presidente da República reafirma o propósito de avançar em uma nova era de relações, assim como foi acordado há dois dias com o presidente da República Bolivariana da Venezuela, Hugo Chávez. Pede a todos os porta-vozes do Governo total prudência para não afetar este caminho", diz um comunicado divulgado pelo Governo.

Chávez pediu a Uribe, ao discursar na 5ª Cúpula Extraordinária da Petrocaribe, em Maracaibo, que "ponha em seu lugar" o ministro colombiano da Defesa, Juan Manuel Santos, que foi acusado pelo presidente venezuelano de atrapalhar os acordos entre os dois países.

O líder venezuelano assegurou que Santos "se transformou em um franco-atirador" e lamentou declarações, que segundo Chávez o ministro fez após a reunião em que se normalizaram as relações entre os dois países.

Não foi a primeira vez que Chávez pediu a Uribe que controlasse o ministro Santos, que o presidente acusa de ser inimigo da Venezuela e de ser parte de uma das famílias mais ricas da Colômbia.

Ao longo da história, as relações entre Colômbia e Venezuela tiveram sérias divergências, mas talvez a mais complexa tenha acontecido em novembro passado.

Na ocasião, Uribe cancelou a mediação de Chávez para um possível acordo humanitário para viabilizar que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertassem um grupo de seqüestrados. EFE ocm/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.