Uribe diz que insistirá em cerco sobre Farc

Bogotá - O presidente colombiano, Álvaro Uribe, disse nesta quarta-feira que insistirá no cerco humanitário sobre a guerrilha para viabilizar a soltura dos 22 membros da Polícia que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) mantém como reféns visando a uma futura troca.

EFE |

  • Cruz Vermelha resgata mais um refém das Farc na Colômbia
  • Cronologia de libertações, resgates e fugas de reféns das Farc
  • "Seguimos com essa tarefa, e chegará um momento no qual ou os soltam, ou os recuperamos", advertiu Uribe nos arredores na casa em Villavicencio, cidade do centro colombiano, do ex-governador Alan Jara, libertado pelas Farc ontem.

    O presidente se reuniu por mais de uma hora com Jara, que antes tinha declarado, em uma tumultuada coletiva de imprensa, que "Uribe não fez nada pela liberdade" dos reféns.

    O ex-governador, refém das Farc por mais de sete anos, afirmou também que "a atitude de Uribe não ajudou em nada a que se produzisse a troca humanitária".

    Uribe disse ter falado sobre tudo isso com o ex-refém, que o recebeu junto com sua esposa Claudia e seu filho.

    "Estamos prontos para a paz, não para o engano; estamos prontos para o acordo humanitário, não para reforçar o terrorismo", afirmou Uribe.

    O governante reiterou que esteve disposto a buscar um acordo com os guerrilheiros, mas não à custa de pôr o país em risco.

    "O que eu não poderia fazer como presidente da Colômbia é tirar guerrilheiros da prisão e entregá-los às Farc para que voltem a matar", afirmou.

    Uribe lembrou que, faltando um acordo, também ofereceu aos rebeldes que desertassem e entregassem sequestrados uma recompensa e a liberdade condicional, mas não a anistia ou o indulto, o que a lei não permite.

    O presidente colombiano também evitou confirmar a suposta renúncia do alto comissário governamental para a Paz, Luis Carlos Restrepo, após uma polêmica envolvendo a imprensa em Villavicencio.

    Uribe disse que sobre Restrepo, que coordenava a parte oficial da missão de resgate dos reféns, a única coisa que poderia falar é que "há confiança, apreço, admiração e gratidão".

    Leia também:

  • Após libertação de reféns, Colômbia sofre atentado
  • Helicóptero com 4 reféns colombianos das Farc chega a Villavicencio


    Leia mais sobre:
    Farc

    • Leia tudo sobre: colômbia

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG