Uribe determina que apenas a Cruz Vermelha poderá receber os reféns das Farc

O presidente colombiano, Alvaro Uribe, desautorizou a participação do grupo civil Colombianos pela Paz nas operações de entrega de reféns da guerrilha das Farc e determinou que apenas o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) poderá receber sequestrados a serem libertados.

AFP |

"O governo não pode permitir que o terrorismo continue fazendo fetas com a dor dos sequestrados e suas famílias", assinalou Uribe em um pronunciamento na casa de Nariño, sede presidencial, onde recebeu durante a madrugada desta segunda os quatro militares libertados no domingo pelas Farc.

"Em consequência, se autoriza exclusivamente o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e seu apoio logístico concedido pela República do Brasil para continuar com esta operação, o que é suficiente para um ato humanitário", enfatizou o presidente.

Uribe, que admitiu a realização de vôos da Força Aérea colombiana na zona onde foi realizada a libertação dos quatro reféns, afirmou que os mesmos "respeitaram as alturas mínimas na área autorizada" e assegurou que não houve operações militares ofensivas.

O jornalista colombiano Jorge Enrique Botero, membro da 'Colombianos pela Paz', denunciou que aeronaves militares seguiram os helicóptero que o governo brasileiro disponibilizou para o CICV pegar os três policiais e um militar libertados.

No entanto, o presidente colombiano afirmou que "o governo, por solidariedade aos sequestrados e suas famílias, facilitou desde o início este processo de libertação". "O governo cumpriu com o que foi oferecido", destacou.

Uribe também agradeceu ao Brasil pelo apoio logístico dado ao CICV.

O presidente mencionou o atentado que deixou pelo menos uma pessoa morreu e 30 ficaram feridas na noite de domingo quando um carro-bomba foi jogado contra uma delegacia da cidade de Cali.

O morto aparentemente é o autor do ataque, informou o prefeito da terceira cidade colombiana, Iván Ospina.

O comandante da polícia local, general Gustavo Ricaurte, atribuiu o atentado à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

A explosão destruiu a fachada da delegacia e deixou às escuras a região, onde se situa o Palácio da Justical local, que, em agosto passado, também foi alvo de um atentado com carro-bomba, quando morreram quatro pessoas.

No domingo, o helicóptero brasileiro com os quatro reféns colombianos libertados pela guerrilha pousou às 18H56 (23H56 GMT, 21H56 de Brasília) no aeroporto Vanguardia da cidade de Villavicencio, 90 km a sudeste de Bogotá.

Os reféns desceram da aeronave e levantaram as mãos para saudar os membros do grupo "Colombianos pela Paz" que os receberam com flores na pista iluminadada do terminal.

A aeronave pousou em Villavicencio quase 11 horas depois de ter decolado com quatro integrantes da comissão de paz e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

As Farc entregaram os reféns Alexis Torres, Juan Fernando Galicia e José Walter Lozano, membros da polícia, e o soldado William Rodríguez.

axm-cop/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG