Uribe afirma que Farc tem que deixar as armas ou enfrentará militares

Bogotá, 14 jun (EFE).- O presidente colombiano, Álvaro Uribe, disse nesta segunda-feira às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que a guerrilha tem dois caminhos: se desmobilizar após entregar os sequestrados ou enfrentar operações militares como a deste domingo, que recuperou quatro reféns.

EFE |

Bogotá, 14 jun (EFE).- O presidente colombiano, Álvaro Uribe, disse nesta segunda-feira às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que a guerrilha tem dois caminhos: se desmobilizar após entregar os sequestrados ou enfrentar operações militares como a deste domingo, que recuperou quatro reféns. Em discurso na Casa de Nariño (sede do Executivo), que foi televisado ao vivo, Uribe se apresentou junto aos quatro libertados, o general Luis Mendieta; os coronéis Enrique Murillo e William Donato; e o sargento Arbey Delgado. Perante eles, o presidente reiterou sua oferta aos guerrilheiros para que entreguem voluntariamente os sequestrados, horas após lembrar na cidade de Manizales que os desertados receberiam recompensas e poderiam iniciar uma nova vida em liberdade. "Convidamos os integrantes da guerrilha que têm em suas mãos estes compatriotas a abandonarem o grupo terrorista, que se desmobilizem, que devolvam a liberdade a estes compatriotas sequestrados. O Governo os recompensará buscando com as autoridades de Justiça um instrumento que permita que fiquem livres", disse Uribe. "Queremos, sim, que os guerrilheiros tomem a decisão de adotarem o caminho da retificação e da reconciliação, desmobilizando-se e libertando os reféns, os sequestrados, os torturados; mas não vamos renunciar ao caminho da autoridade", afirmou. Uribe deixou claro que seguirá "até o último dia com todo o afã de pátria buscando a liberdade dos que seguem torturados e sequestrados". EFE erm/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG