Unicef pede punição à prostituição infantil além de fronteiras

Berlim, 2 jun (EFE).- O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) exigiu hoje que a prostituição infantil seja castigada e perseguida além das fronteiras nacionais, ao apresentar em Berlim o último relatório intitulado Detenha a exploração sexual.

EFE |

A organização, responsável por proteger os direitos da infância, dá um passo importante na luta contra a pornografia e a prostituição infantil, assim como contra o tráfico de menores.

Os responsáveis por cometer este tipo de atos deveriam ser punidos pela lei, independentemente do país no qual cometem o crime, explicou o embaixador do Unicef e ator Roger Moore na apresentação do relatório.

Segundo estimativas da ONU, no ano passado um total de 150 milhões de meninas e 73 milhões de meninos foram abusados sexualmente no mundo todo.

"Pessoas de todos os cantos devem saber que o abuso de crianças, assim como o consumo de pornografia infantil, são dois crimes que estarão sujeitos a penas mais duras", afirmou Moore.

O ator, que já interpretou o agente secreto James Bond, está há 18 anos lutando para preservar os direitos de crianças e adolescentes.

Moore contou como foi afetado pela conversa que manteve no Brasil com uma menina de 12 anos que foi violentada por um policial quando tinha apenas oito.

"Não acho que haja trauma mais humilhante para os direitos das crianças que sofrer abusos em seu corpo por parte de adultos sem escrúpulos", acrescentou.

O relatório insiste em que aquele que consome pornografia infantil está se entretendo com documentação criminosa. EFE pb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG