Unicef exige acesso a campos de deslocados no Sri Lanka

Nações Unidas, 19 mai (EFE).- A diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Ann Veneman, exigiu hoje do Governo do Sri Lanka acesso completo e sem impedimentos aos acampamentos dos deslocados pela guerra civil no país.

EFE |

"Há informações de que o acesso a alguns dos campos para deslocados internos no Sri Lanka é restrito. Deve haver acesso humanitário completo e sem impedimentos para que crianças e mulheres recebam a assistência de que necessitam", afirmou Veneman.

A representante do Unicef assegurou em comunicado que as dezenas de milhares de pessoas que fogem do último reduto dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE, em inglês), o qual foi dominado pelo Exército cingalês ontem, chegam aos acampamentos doentes, desnutridas e feridas.

"O número de deslocados internos nos acampamentos deve passar de 250 mil pessoas no final de semana. Este fluxo em massa de pessoas aumentará a pressão sobre a distribuição de água e a assistência médica nos campos", alertou.

Veneman reafirmou o compromisso da agência das Nações Unidas em proporcionar ajuda aos campos por meio de organizações humanitárias com as quais colabora.

O Unicef relatou que distribuiu diariamente milhões de litros de água nos campos e criou centros para atender crianças desnutridas, além de construir banheiros.

A ONU expressou em várias ocasiões sua preocupação com as condições de aglomeração e as restrições ao acesso aos campos onde se amontoam os tâmeis deslocados pelo conflito.

O presidente do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa, assegurou hoje em discurso perante o Parlamento local que o Exército destruiu "completamente" a guerrilha tâmil, que desde 1983 lutava para criar um Estado independente no norte e no leste da ilha. EFE jju/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG