Unicef alerta para morte de crianças devido a falta de acesso à água potável

Genebra/Nações Unidas, 20 mar (EFE).- A falta de água potável é a segunda causa de mortes de crianças menores de cinco anos no mundo, 4.

EFE |

200 das quais falecem a cada dia por doenças provocadas por esta carência, segundo dados divulgados hoje pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef, em inglês).

Por causa do Dia Mundial de Água, comemorado em 22 de março, a chefe de Água e Saneamento do Unicef, Clarissa Brocklehurst, lembrou hoje que "o acesso à água potável e ao saneamento é essencial para todos os aspectos da vida das crianças; sua saúde, sua sobrevivência e o respeito a sua dignidade".

Cerca de 900 milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso à água potável, enquanto que 125 milhões de crianças menores de cinco anos vivem em lares sem acesso a fontes de água potável.

Além disso, 2,5 bilhões de pessoas não contam com serviços adequados de saneamento.

As regiões do oeste e do centro da África são as que contam com menor cobertura de sistemas de saneamento e acesso à água no mundo.

Cerca de 20% da população mundial que carece de acesso à água potável vive nessas áreas. São 170 milhões de pessoas, sendo que a metade delas tem menos de 18 anos, segundo dados de 2006 - em 1990, esse número era de 124 milhões.

A distância entre as moradias e o lugar de fornecimento de água e a contaminação por coliformes fecais ou decorrente de problemas no transporte e no armazenamento são outros problemas ligados ao tema.

O Unicef também destacou hoje a necessidade de haver uma gestão integrada dos recursos hídricos como parte das medidas destinadas a resolver a falta de acesso à água potável.

Para a ONU, a cooperação entre países é de importância fundamental, especialmente quando se trata de cursos de água que cruzam as fronteiras entre países - este é justamente o tema do Dia Mundial da Água neste ano.

"Não é possível se dar ao luxo de não fazer nada a respeito das questões relacionadas com a água", afirmou Clarissa Brocklehurst.

EFE emm-mrm/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG