O chefe da comissão de Transportes da União Europeia, Antonio Tajani, propôs nesta terça-feira a elaboração de uma lista negra mundial de companhias aéreas sem padrões de segurança adequados, a exemplo da relação já elaborada pelos países do bloco.


AP
Parentes de passageiros lamentam acidente

Parentes de passageiros lamentam acidente no Iêmen

"A minha ideia seria propor uma lista negra mundial, semelhante à da União Europeia", disse Tajani, depois das notícias sobre a queda de um avião da companhia Yemenia Air, do Iêmen, no Oceano Índico.

O Airbus 310, que havia decolado de Sanaa, no Iêmen, com destino a Moroni, em Comores, caiu com 153 pessoas a bordo por volta da 1h51 desta terça-feira (19h51 da segunda-feira em Brasília).

A Yemenia Air não está na lista negra da União Europeia, que é atualizada regularmente. Tajani disse que vai entrar em contato com a companhia para "saber o que aconteceu e verificar o nível de segurança" de suas operações na Europa.

"Se quisermos melhor segurança, estou convencido de que precisamos ter uma lista negra mundial, a lista europeia funciona muito bem na Europa", disse Tajani. "Caso contrário vai ser difícil conseguirmos um grau adequado de segurança".

Lista

A UE colocou dezenas de companhias aéreas de várias partes do mundo - a maioria da África e da Ásia - em sua lista, o que significa que estão proibidas de voar para os 27 países do bloco europeu.

Estão incluídas todas as companhias do Benin, algumas empresas da República Democrática do Congo e do Quirguistão e seis baseadas no Cazaquistão. A lista também inclui a One Two Go Airlines, da Tailândia, e a Motor Sich Airlines, da Ucrânia.

A comissão de Transportes disse que Angola e Indonésia fizeram melhorias, mas apesar disso todas as suas companhias aéreas continuam banidas.

Em julho de 2007, problemas encontrados na aeronave que caiu levaram a União Europeia a fazer uma investigação sobre os padrões de segurança da Yemenia Air, informou um oficial da comissão.

Segundo o oficial, a UE fez 24 inspeções em um período de dois anos e constatou que havia melhorias nos padrões de segurança da empresa.

O ministro dos Transportes do Iêmen disse que o avião que caiu recebeu uma inspeção completa em maio, com supervisão do fabricante, Airbus.

Leia mais sobre acidente no Iêmen

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.