União Europeia dará mais 30 milhões de euros ao Paquistão

Com essa nova contribuição, sobe para 70 milhões de euros a ajuda da UE ao Paquistão por causa das enchentes

iG São Paulo |

A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira outros 30 milhões de euros (quase R$ 68 milhões) em ajuda humanitária de urgência aos afetados pelas graves inundações do Paquistão. A comissária europeia de Ajuda Humanitária e Respostas às Crises, Kristalina Georgieva, viajará para região na segunda-feira para estudar a situação com analistas.

"Enfrentamos no Paquistão um desastre humanitário de grandes proporções", disse Georgieva, destacando a grande extensão da zona afetada, que é integrada por comunidades rurais de acesso muito difícil.

Com essa nova contribuição, sobe para 70 milhões de euros (quase R$ 159 milhões) a quantia humanitária anunciada pela União Europeia para o Paquistão nas últimas semanas. A comissária afirmou que o objetivo de sua viagem ao Paquistão é ajudar a coordenar o envio do socorro europeu e começar a preparar uma conferência internacional de doadores para arrecadar fundos destinados à reconstrução.

Ajuda lenta

O Paquistão informou nesta terça-feira ter recebido US$ 300 milhões em ajuda internacional, mas o fluxo de fundos continua sendo lento , principalmente para uma tragédia que deixou cerca de 2 mil mortos e afetou 20 milhões de pessoas . As piores inundações são as piores a atingir o país em 80 anos.

Mais de 650 mil famílias continuam sem abrigo, segundo o escritório de coordenação para assuntos humanitários das Nações Unidas (Ocha). A ONU pediu na semana passada US$ 460 milhões de ajuda . Nesta quarta, afirmou ter recebido 54,5% dessa quantia, incluindo promessas que ainda devem ser cumpridas.

Zamir Akram, embaixador do Paquistão na ONU em Genebra, informou que seu país recebeu US$ 301 milhões por meio das Nações Unidas e mecanismos bilaterais diretos. A ONU alertou que precisa de mais fundos para evitar que a falta de alimentos e doenças provoquem uma segunda onda de mortes . Cerca de 6 milhões de pessoas estão expostas a doenças transmitidas pela água, como febre tifoide, hepatite A e cólera.

Atenuação das chuvas

As zonas mais afetadas pelas inundações no Paquistão não receberão chuvas significativas durante aproximadamente uma semana, o que ajudará a aliviar a crise atual, informou o chefe do serviço meteorológico do país, Qamaruz Zaman Chaudhry. "Haverá bom tempo nas áreas afetadas pelas inundações durante uma semana. A princípio, choverá só em pontos como Islamabad ou a Província do Punjab, que não estão afetados", explicou Chaudhry.

Segundo a fonte, a diminuição contribuirá para que desça o nível de água do rio Indo e de seus afluentes, o que já está acontecendo no norte do país. No entanto, Chaudhry advertiu que os maiores desafios agora estão na Província de Sindh, no sudeste do país, que recebeu um grande volume de água que percorreu mais de mil quilômetros devastando regiões no noroeste e leste paquistaneses.

Em Sindh, duas represas estão suportando grande pressão, e há alguns dias as autoridades temem que sofram danos e transbordem, o que poderia fazer com que fossem inundadas centenas de localidades.

*Com EFE a AFP

    Leia tudo sobre: paquistãoinundaçõeschuva de monções

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG