União Europeia alerta Honduras para mais sanções por golpe

BRUXELAS (Reuters) - A União Europeia (UE) alertará o governo interino de Honduras na próxima semana que poderá enfrentar sanções mais duras a menos que encontre uma solução pacífica para a crise iniciada depois do golpe contra o presidente Manuel Zelaya. O esboço de um comunicado que deve ser aprovado pelos ministros de Relações Exteriores da UE, em reunião em Bruxelas na segunda-feira, afirma que o bloco poderá continuar a restringir contatos políticos com o governo interino instalado após o golpe militar em 28 de junho.

Reuters |

Em julho, a Comissão Europeia afirmou que suspenderia todos os repasses financeiros a Honduras depois do fracasso nos esforços para resolver a crise. O bloco também suspendeu assistência de desenvolvimento.

"Até que um acordo pacífico seja encontrado, a UE estará pronta para tomar medidas mais restritivas, inclusive contra os membros do governo de facto que são vistos como bloqueadores do progresso de uma solução negociada", afirma o comunicado ao qual a Reuters teve acesso.

O documento reafirmou o apoio da UE à mediação do presidente da Costa Rica, Oscar Arias, e da Organização dos Estados Americanos e pediu que todos os lados trabalhassem por uma solução pacífica negociada e pela restauração da ordem constitucional antes das eleições de novembro.

O comunicado também expressa grande preocupação com supostas violações de direitos humanos, incluindo ameaças a ativistas, detenções arbitrárias e repressão de manifestações pacíficas.

(Reportagem de David Brunnstrom)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG