União Europeia aceita suspender sanções contra Costa do Marfim

Embaixada francesa diz que ataques das forças de Gbagbo atingiram embaixador em Abidjan, onde líder ganhou terreno

iG São Paulo |

A União Europeia concordou nesta sexta-feira com um pedido do opositor Alassane Ouattara, cuja eleição é reconhecida pela comunidade internacional, para suspender algumas sanções contra a Costa do Marfim para impulsionar a economia do país.

AP
Moradores de Abdijan passam por soldados leais a Laurent Gbagbo, que se recusa a deixar o poder na Costa do Marfim
As nações europeias concordaram em descongelar relações comerciais com os portos de San Pedro e Abdijan, assim como companhias de refinação e de transformação da matéria prima do cacau, para liberar as exportações do país.

A Costa do Marfim é o maior produtor mundial de cacau, indústria que tem sido duramente prejudicada pelas turbulências e incertezas que o país atravessa. Ouattara, que lançou uma ofensiva contra as forças de Laurent Gbagbo - líder que se recusa a deixar o poder - no mês passado, controla a cidade portuária de San Pedro, um centro de exportação de cacau. Mas suas tropas ainda batalham pelo controle da principal cidade marfinense, Abidjan, onde Gbagbo permanece entrincheirado na residência oficial. De acordo com o chefe das operações de manutenção de paz da ONU, Alain Le Roy, as tropas fiéis a Gbagbo ganharam terreno nesta sexta-feira em Abidjan e possuem tanques e armas pesadas.

Nesta sexta-feira, a Embaixada Francesa na Costa do Marfim disse que seu embaixador foi ferido por explosões lançadas por forças leais a Gbagbo. Ele está escondido em um bunker de sua residência, próxima à representação francesa. De acordo com um comunicado, dois morteiros e um míssil atingiram a residência do embaixador, no segundo ataque do tipo em 48 horas. O comunicado não falava sobre mortos ou feridos, mas ressaltou a resolução do Conselho de Segurança da ONU que permite a destruição de armas utilziadas contra alvos franceses.

Corpos

Também nesta sexta-feira, funcionários da ONU na Costa do Marfim encontraram mais de 100 corpos nas últimas 24 horas, alguns queimados vivos e outros jogados em um poço. A descoberta ocorre uma semana depois de o Comitê Internacional da Cruz Vermelha informar que ao menos 800 corpos foram encontrados na cidade de Duekoue, após uma onda de violência entre comunidades.

Segundo o porta-voz para os direitos humanos da ONU, Rupert Colville, os funcionários da entidade encontraram na quinta-feira mais 15 corpos em Duekoue, onde ocorreram as queimadas, outros 60 corpos em Guiglo, e 40 em Blolequin. 

"Algumas vítimas parecem ter sido queimadas vivas, e alguns corpos foram atirados em um poço", disse ele em coletiva de imprensa em Genebra, acrescentando que os assassinatos pareciam ter sido uma retaliação às mortes de mais de 100 pessoas em meados de março por forças leais a Gbagbo, na mesma cidade.

*Com AP e Reuters

    Leia tudo sobre: Costa do MarfimLaurent GbagboAlassane OuattaraONU

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG