Uma semana após tremor, China ainda acha sobreviventes

Na China, equipes de resgate conseguiram retirar duas mulheres com vida de escombros deixados pela ação devastadora do terremoto que atingiu a província de Sichuan, no sudoeste do país, na segunda-feira passada. Por volta das 10h30 da manhã desta segunda-feira (23h30 de domingo no horário de Brasília), Wang Fazhen, de 50 anos, foi resgatada de um dormitório de uma mina de carvão em Mianzhu.

BBC Brasil |

A operação de resgate durou 40 minutos. Wang apresentava sinais vitais frágeis e foi levada às pressas para o hospital.

Segundo as equipes de resgate, pelo menos três outras pessoas soterradas na mesma área ainda estariam vivas, de acordo com informações de equipamentos que detectam a presença de sinais vitais embaixo dos destroços.

Uma outra mulher, Li Mingcui de 61 anos, foi salva no centro antigo do vilarejo de Qushan, que fica próximo da cidade de Beichuan, a mais atingida pelo terremoto.

Li estava seriamente ferida, apresentava múltiplas fraturas e infecções, mas estava consciente.

No domingo, um homem que ficou soterrado por quase uma semana sob pesados blocos de concreto foi resgatado após uma operação de cinco horas.

Enquanto aguardava o auxílio, o homem chegou a conversar com a esposa pelo telefone e disse que não acreditava que sairia vivo da situação. Ele acabou morrendo em virtude dos ferimentos pouco depois de ser retirado dos escombros.

Até esta segunda-feira, a China já contabilizava mais de 34 mil mortos e 245 mil feridos.

Cerca de 52 mil chineses foram hospitalizados, dos quais 7.917 receberam alta.

O governo estima que as vítimas fatais chegarão a 50 mil. Doações para as vitimas e esforços de resgate já passam de US$ 10,8 bilhões.

Buzinaço
Nesta segunda-feira, milhões de chineses observaram três minutos de silêncio seguido por um buzinaço em homenagem às vitimas do terremoto.

A homenagem ocorreu no exato momento que marcava uma semana da tragédia, às 14h28 do horário local (3h28 no horário de Brasília).

A magnitude do terremoto foi revisada para cima e agora especialistas afirmam que o tremor atingiu 8 graus na escala Richter, e não 7,9, como inicialmente estimado.

Ainda nesta segunda-feira um novo tremor secundário abalou a região próxima ao epicentro. Às 14h06 do horário local (3h06 de Brasília) um terremoto de 5,4 graus na escala Richter chacoalhou o distrito de Qingchuan.

Na véspera, no domingo, um forte tremor de 5,7 graus ocorreu pela manhã na cidade de Jiangyou, deixando três mortos e mais de mil feridos.

Segundo dados oficiais, mais de 150 terremotos secundários com força superior a 4 graus ocorreram desde a segunda-feira passada. Dentre estes, 24 foram superiores a 5 graus e cinco marcaram mais de 6 graus.

A agência de notícias estatal Xinhua informou nesta segunda-feira que pelo menos 200 trabalhadores que participam dos esforços de resgate foram soterrados por deslizamentos de terra causados pelos tremores secundários nos últimos dias.

Os trabalhadores estavam reconstruindo uma estrada quando o deslizamento ocorreu. Duas máquinas e seis veículos também foram soterrados na província de Sichuan.

A imprensa estatal não especificou se os trabalhadores estão mortos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG