Uma mulher com problemas mentais derruba o Papa antes da celebração da Missa

Uma mulher, aparentemente com problemas mentais, conseguiu furar nesta quinta-feira a barreira de segurança, no Vaticano, ao tentar se aproximar do Papa Bento XVI que, na confusão, perdeu o equilíbrio, caindo ao chão. O Santo Padre, de 82 anos de idade, no entanto, levantou-se logo, dirigindo-se ao altar para celebrar a missa de Galo.

AFP |

O cardeal francês Roger Etchegaray, que estava ao lado de Bento XVI foi acometido de um mal-estar, tendo sido transportado para o serviço médico, explicou o padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano.

Segundo o padre Lombardi, a mulher conseguiu ultrapassar a barreira de segurança no momento em que o Papa conduzia a procissão de cardeais para a entrada solene na basílica.

Bento XVI perdeu o equilíbrio, caiu, mas foi prontamente socorrido, dirigindo-se ao altar "como se nada tivesse acontecido" para celebrar a missa de Natal, informou a agência Ansa.

A mulher foi detida e interrogada por policiais do Vaticano.

Segundo depoimentos, ela desejava aproximar-se do papa, mas não tinha "más intenções".

A missa do Galo, celebrada por Bento XVI e 30 cardeais, foi pela primeira vez antecipada para as 22h00 (21h00 GMT) na basílica de São Pedro para poupar o pontífice, que completou 82 anos, em abril, e terá que cumprir uma longa jornada de atividades nesta sexta-feira.

Na homilia, ele denunciou "o egoísmo" individual e coletivo.

"O egoísmo, tanto do grupo como do indivíduo, mantém-nos prisioneiros de interesses e de desejos, que se opõem à verdade e nos separam uns dos outros", disse.

Dirigindo-se em italiano aos milhares de fiéis na Basílica e aos milhões de outros que acompanhavam a missa pela televisão, em todo o mundo, o chefe da Igreja Católica declarou que "os conflitos no mundo, as dificuldades de relacionamento provêm do fato de que estarmos fechados em nossos próprios interesses e em nossas opiniões pessoais, num minúsculo mundo interior".

Segundo o Santo Padre, a "humildade" é "o sinal do Deus que se faz pequeno, que se transforma em menino", evocando o filho de Deus, Jesus, que nasceu num estábulo em Belém.

"Nos tornamos semelhantes a Deus quando (...) aprendemos a ser humildes porque esta é a verdadeira grandeza, quando renunciamos à violência e usamos apenas as armas da verdade e do amor", disse Bento XVI durante a quinta missa de Natal de seu pontificado, dita em latim.

As leituras de apoio foram feitas em italiano, inglês, francês, alemão, espanhol, polonês; muitas orações foram ditas em português, árabe e chinês.

Nesta sexta-feira, às 12H00 (11H00 GMT), Bento XVI transmitirá ao mundo, em 60 línguas, a bênção tradicional "Urbi et Orbi", da Cidade para o Mundo, do balcão da basílica que domina a praça de São Pedro.

cj-mle/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG