Um em cada quatro chineses está acima do peso, diz estudo

Um em cada quatro adultos na China está acima do peso, segundo um estudo feito no país por cientistas americanos. Segundo o estudo, divulgado na publicação científica Health Affairs, os fatores responsáveis pelo aumento da obesidade na China são a mudança para uma dieta mais ocidentalizada e a diminuição da atividade física.

BBC Brasil |

O relatório alerta que as taxas de obesidade poderão dobrar até 2028, caso o governo chinês não tome providências.

O estudo, conduzido pelo professor de nutrição da Universidade da Carolina do Norte Barry Popkin, analisou 20 mil pessoas em toda a China e descobriu que as taxas de hipertensão e diabetes também estão aumentando rapidamente.

Popkin disse que, quando visitou a China pela primeira vez em 1981, "não existiam pessoas acima do peso entre os adultos".

"Hoje temos algo perto dos 30% de chineses acima do peso e obesos e a taxa de aumento nos números de pessoas acima do peso está acima de 1% ou acima de 11 milhões de novos chineses adultos", afirmou.

"As grandes mudanças que ocorreram na China nos últimos 15 anos são que eles estão consumindo muito mais óleo de cozinha ou óleo vegetal. Eles estão, essencialmente, mudando (o cardápio) do cozimento e do vapor para a fritura, e também aumentando o consumo de carne e frango", acrescentou.

Países em desenvolvimento
Segundo a analista da BBC para Ásia, Jill McGivering, a obesidade está associada com a nova onda de prosperidade econômica da China e com um estilo de vida mais urbano e ocidental.

Porém, esta nova pesquisa mostra que até os chineses com renda mais baixa, em áreas rurais, agora têm mais chances de ficarem acima do peso do que aqueles que têm uma renda maior e moram nas cidades.

Nessas áreas, as pessoas estão fazendo menos exercício, de acordo com McGivering. A agricultura está mais mecanizada e carros, motocicletas e tratores estão substituindo as bicicletas.

Os chineses também estão passando mais tempo em frente à televisão.

Isto seria um reflexo da situação em países em desenvolvimento, onde a pobreza e a obesidade são constantemente relacionadas.

"O que está acontecendo na China pode ser visto como um sinal do que vai atingir o resto do mundo em desenvolvimento se não tomarmos providências", disse Popkin.

"Precisamos descobrir o investimento e a regulamentação corretos para encorajar as pessoas a adotarem um estilo de vida saudável, ou corremos o risco de termos maiores taxas de mortes, doenças e incapacitação, e os custos relacionados a esse fenômeno."
O governo chinês sabe do problema - mas está sendo criticado por não dar ênfase suficiente à promoção de campanhas de conscientização.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG