Um componente do chá verde visto como promissor contra a propagação da Aids

Um componente do chá verde poderia revelar-se eficaz contra o contágio da Aids durante as relações sexuais, diz um estudo alemão publicado nesta terça-feira na edição digital de Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

AFP |

Esta investigação da Universidade de Heidelberg e do Instituto de Virologia experimental de Hamburgo demonstrou que o galato de Epigalocatequina (EGCG), um polifenol ou tanino vegetal do chá verde, tem a capacidade de bloquear uma proteína do sêmen que tende a servir de vetor e propagador do vírus da Aids.

"Uma fração de péptido presente no esperma humano reforça de maneira constante uma infecção pelo VIH. Fibrilas, também chamadas propagadoras do vírus (SEVI, Semen-derived enhancer of virus infection), (...) captam os elementos virais e os enlaçam à sua célula objetivo, propagando a difusão do vírus", explicam os cientistas do Heinrich-Pette-Institute de Hamburgo.

"Por esses motivos supusemos que a inclusão de um inibidor de SEVI como microbicida poderia melhorar a prevenção da transmissão da Aids através de relações sexuais", explicam os cientistas.

Comprovaram que a aplicação local, nas mulheres, de uma solução com baixa dose de polifenol de chá verde (EGCG), pode "aniquilar eficazmente as propriedades de desenvolvimento da infecção".

A grande maioria dos 33 milhões de soropositivos do mundo foram infectados pelo VIH através de relações heterossexuais e 96% das contaminações recentes ocorrem nos países pobres, pelo que os cientistas estimam que a descoberta das propriedades inibidoras do chá verde é "promissora".

vmt/chv/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG