Um ano de Obama: a realidade versus as promessas de mudança

Se a vitória de Barack Obama nas eleições presidenciais de 2008 pode ser resumida pela frase sim, nós podemos acreditar na mudança, o ano de 2009 pode ser sintetizado numa comprovação mais realista: mudar é difícil.

AFP |

Os antes elevados índices de aprovação estão agora abaixo de 50% segundo algumas pesquisas, o que é um território perigoso para qualquer presidente.

Em sua estante descansa o Prêmio Nobel da Paz. Mas muitos criticaram sua escolha, considerando que não merece, apesar dessa honra simbolizar o restabelecimento da imagem dos Estados Unidos no mundo.

No dia 4 de novembro de 2008 Obama compartilhava o entusisasmo de milhares de seguidores depois de vencer John McCain e tornar-se o primeiro negro a ser eleito presidente dos Estados Unidos.

"Foi preciso muito tempo. Mas, esta noite, graças ao que fizemos hoje e durante esta eleição, neste momento histórico, a mudança chegou aos Estados Unidos", afirmou Obama ante uma multidão que celebrava em Chicago, assim como em todo o país, a chegada de uma nova era.

Obama acabava de confirmar que, depois de três anos de divisões, os Estados Unidos continuavam sendo o país "onde tudo é possível". Pouco importava a imensidão de sua tarefa.

Um ano depois, a euforia da vitória cedeu lugar ao trabalhoso exercício do poder e o discurso mudou. "Mudar é difícil", diz Obama agora.

Desde os primeiros dias de sua presidência, ele se dedicou a manter a promessa de romper com a era Bush, proibindo as torturas e anunciando o fechamento do centro de detenção de Guantánamo. Rapidamente, anunciou e acelerou a retirada das tropas do Iraque.

Mas empreender essas mudanças revelou-se um assunto muito complicado, principalmente quando se deve combater a pior recessão vivida pelos Estados Unidos desde os anos 30 e, ao mesmo tempo, se pretende estabelecer um dos programas de reforma da saúde mais ambiciosos já realizado em muitos anos.

Estender a cobertura da saúde a um número muito maior de pessoas está provocando uma acirrada batalha política. Para combater a mudança climática e sanear o mundo das finanças também enfrenta consideráveis resistências.

A popularidade de Obama sofre uma erosão lenta, mas o clima político, que ele prometeu apaziguar, continua tenso.

O ambiente econômico prmanece sob um clima de ameaças, apesar de os Estados Unidos tecnicamente terem saído da recessão. Contra as críticas e o ceticismo, a administração Obama assegura que suas ações econômicas e seu gigantesco plano de recuperação foram decisivos.

Também afirma que o aumento do desemprego foi detido, mas este poderá chegar a 10% e persistir em 2010, ano durante o qual Obama e seu Partido Democrata se submeterão ao julgamento dos eleitores em votações legislativas de metade do mandato.

Mas antes que termine 2009, o presidente poderá se vangloriar de ter vencido onde seus antecessores fracassaram se conseguir levar a bom termo o grande projeto de reforma da saúde.

No exterior, seus colaboradores reconhecem que restabeleceram a imagem dos Estados Unidos, o que foi confirmado com o Prêmio Nobel da Paz 2009.

Obama desfez muitos dos erros diplomáticos de seu antecessor, como reformular a proposta do escudo antimísseis na Europa, o que levou a uma nova aproximação com a Rússia.

Mas a política do diálogo de Obama passa atualmente pela prova do tema nuclear iraniano. No conflito palestino-israelense, seu envolvimento pessoal ainda não deu resultados concretos.

Porém, talvez seja no Afeganistão que Obama corre o maior risco. Recentemente, tomou uma de suas decisões estratégicas mais importantes de seu mandato.

Decidiu enviar como reforço ao Afeganistão 30.000 soldados a mais, com o objetivo de combater uma insurreição cujos vínculos com a Al-Qaeda crescem todos os dias.

col-/cn/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG