Últimos brasileiros serão resgatados da área de Machu Picchu até sábado

O Itamaraty disse na sexta-feira que os últimos turistas brasileiros ainda ilhados na cidade peruana de Águas Calientes, na região de Machu Picchu, devem ser resgatados no mais tardar até este sábado. Dos mais de 300 brasileiros que estavam na área, restavam ainda mais de 68 nesta sexta-feira.

BBC Brasil |

Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) deve deixar a cidade de Cuzco no sábado. A aeronave é a mesma que levou 14 toneladas de alimentos doados pelo governo brasileiro às vítimas das cheias no Peru.

Segundo o Itamaraty, este avião tem capacidade para trazer de volta até 80 brasileiros que se encontrem impossibilitados de voltar por seus próprios meios.

O governo brasileiro havia oferecido quatro helicópteros e um avião para ajudar nas operações de resgate, mas o Peru declinou a oferta dizendo não ser necessário.

Ilhados
Os turistas ficaram isolados na cidade de Águas Calientes, próxima às ruínas de Machu Picchu desde o domingo, quando as chuvas provocaram deslizamentos de terra, bloqueando o acesso por trem a principal via de acesso à região.

Cerca de 2,5 mil turistas já haviam sido retirados desde o início da semana e as autoridades esperam completar a evacuação neste fim de semana.

Os moradores locais, no entanto, continuam a sofrer com o mau tempo.

O governo local afirmou que são necessárias 60 toneladas de alimentos e disse ter enviado equipes de ajuda a algumas regiões de Cuzco, no sudeste peruano.

Mais de 80 mil pessoas foram afetadas pela chuva no Estado de Cuzco, e 14 mil hectares de terra cultivável foram perdidos, segundo o presidente regional, Hugo Gonzalez.

Essas foram as piores chuvas na região em 15 anos, e cerca de 5 mil casas ficaram totalmente inabitáveis. O governo local calcula prejuízos de US$ 180 milhões.

As ruínas de Machu Picchu, a principal atracão turística do Peru, vão permanecer fechadas por várias semanas.

O governo peruano diz que está preocupado com danos às ruínas da cidade inca e teme-se que várias de suas estruturas incas e coloniais corram o risco de desaparecer.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG