Uigures que fizeram ataques com seringas podem pegar pena de morte

Pequim, 7 set (EFE).- Os quatro uigures acusados dos misteriosos ataques com seringas acontecidos em Xinjiang, região autônoma ocidental da Vhina, onde em julho morreram quase 200 pessoas pelo conflito racial entre esta etnia e a chinesa han, podem enfrentar castigos de entre três anos e a pena de morte.

EFE |

Segundo informa hoje a agência oficial de notícias "Xinhua", as autoridades decidiram aplicar castigos modelo aos responsáveis de ataques que produziram uma nova onda de protestos maciços desde quarta-feira passada, nas quais morreram pelo menos 4 pessoas e outras 14 foram hospitalizadas.

Aqueles que tenham divulgado falsa informação ou rumores sobre ataques com seringas serão também detidos ou presos.

Além disso, as autoridades desta região, habitada há séculos por esta etnia de origem turca e religião muçulmana, mas aonde nos últimos anos se deslocaram milhões de colonos chineses, decidiram mobilizar mais de sete mil funcionários com uma missão "armonizadora": aliviar o pânico e as tensões.

Desde julho, as ruas de Urumqi estão tomadas pelas forças militares chinesas, e as vias de acesso aos bairros uigures estão bloqueadas como medida preventiva para evitar linchamentos. EFE mz/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG