UE tira Mujahedins do Irã de sua lista de grupos terroristas

Bruxelas, 26 jan (EFE).- Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE) decidiram hoje retirar de sua lista de organizações terroristas os Mujahedins do Povo do Irã (OMPI), principal grupo de oposição ao regime islâmico de Teerã, segundo fontes diplomáticas.

EFE |

A medida era esperada após o Tribunal de Primeira Instância da União Europeia anular em dezembro a última decisão do Conselho da UE que, sob Presidência francesa, manteve o grupo na lista, apesar de diversas sentenças contrárias.

"O que estamos fazendo hoje é cumprir a resolução do tribunal europeu", afirmou o Alto Representante da UE para Política Externa e Segurança Comum, Javier Solana, ao chegar ao Conselho de Ministros comunitário.

Maryam Rajavi, presidente eleita do Conselho Nacional da Resistência do Irã (considerado o braço político dos Mujahedins), considerou em comunicado que a medida é "uma vitória para a resistência democrática iraniana e um triunfo sobre os pequenos interesses econômicos e a política de apaziguamento" da UE com o Irã.

Rajavi lamentou que a inclusão de seu grupo na lista terrorista da UE durante sete anos "tenha contribuído para prolongar o fascismo religioso no Irã" e disse que a Europa "deve compensar à OMPI pelos obstáculos que sofreu por esse 'injusto rótulo'".

O grupo Mujahedin Khalq (Combatentes do Povo) foi fundado em 1965 como uma organização marxista-islâmica de oposição ao Xá Reza Pahlevi.

Em 1980, após a vitória da revolução islâmica capitaneada pelo aiatolá Ruhollah Khomeini, o movimento foi obrigado a fugir do Irã por divergências com o novo regime e foi amparado pelo Governo iraquiano do então presidente Saddam Hussein. EFE rcf-jms/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG