UE pede que EUA retirem grupo opositor do Irã de lista de terroristas

Washington, 6 mar (EFE).- Uma delegação de membros do Parlamento Europeu pediu hoje aos Estados Unidos que retirem de sua lista de terroristas os Mujahedins do Povo do Irã (Ompi), principal grupo opositor ao regime iraniano, da mesma forma que a União Europeia (UE) fez em janeiro.

EFE |

Os representantes se reuniram com legisladores republicanos e democratas no Congresso americano para defender a atividade desse grupo.

O vice-presidente do Parlamento Europeu Alejo Vidal-Quadras afirmou à Agência Efe que a organização está de forma "injusta" na lista de terroristas, já que Europa e Estados Unidos a incluíram como "elemento de negociação com o regime iraniano".

No entanto, destacou que, como o diálogo "não funcionou e a operação militar é uma opção totalmente descartada, a única coisa que resta é conseguir que os próprios iranianos organizem a mudança".

Vidal-Quadras explicou que os Mujahedins "estavam na lista porque quando começaram a atuar, há mais de 30 anos, realizavam alguma ação militar, e houve uma série de falsas acusações, (o) que foi um elemento de negociação com o regime iraniano".

Ele assegurou que os Mujahedins iranianos, que contam com milhares de seguidores no exílio, têm "um programa baseado na democracia, no respeito aos direitos humanos, na igualdade entre homens e mulheres, e em uma economia sustentável".

Após as reuniões, Vidal-Quadras afirmou que os congressistas se mostraram receptivos à ideia de que a mudança no país "só pode ser obtida com grupos (de) oposição iranianos que possam fazer isso eles mesmos".

O grupo Mujahedin Khalq (Combatentes do Povo) foi fundado em 1965 como uma organização de caráter marxista-islâmico e de oposição ao regime ditatorial do último xá da Pérsia, Mohammad Reza Pahlevi.

Após a vitória da Revolução Islâmica organizada pelo aiatolá Khomeini, o movimento foi obrigado a fugir do Irã por divergências com o novo regime e foi acolhido pelo Governo do então presidente iraquiano Saddam Hussein. EFE elv/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG