UE pede que autoridades iranianas examinem suposta fraude eleitoral

Luxemburgo, 15 jun (EFE).- A União Europeia (UE) pediu hoje às autoridades iranianas que apurem as alegações de fraude nas eleições presidenciais, realizadas na sexta-feira no país, e que respondam às preocupações da comunidade internacional.

EFE |

Em declaração divulgada pelos ministros de Exteriores de seus países, a UE expressou sua "profunda preocupação" com a onda de violência registrada no Irã e "o uso da força contra manifestantes pacíficos".

Os 27 ministros, reunidos em Luxemburgo para preparar a próxima cúpula de líderes europeus, disseram estar atentos tanto ao resultado anunciado pela Comissão Eleitoral iraniana, que deu a vitória ao atual presidente, Mahmoud Ahmadinejad, quanto às denúncias de fraude divulgadas pelos candidatos reformistas.

Depois de expressar a preocupação com a violência e o uso da força, a declaração da UE afirma que é "essencial" que os pedidos do povo iraniano "sejam alcançados por meios pacíficos" e que "a liberdade de expressão seja respeitada".

Os ministros lembraram também que contínua sendo uma prioridade para a UE que o Irã responda às preocupações da comunidade internacional, especialmente sobre seu programa nuclear.

O Conselho da União "deseja dialogar com a República Islâmica do Irã sobre a base do respeito mútuo, mas insiste que o país reconheça suas responsabilidades e obrigações, e que atue rapidamente", conclui o texto.

Em declarações dadas à imprensa, o ministro de Assuntos Exteriores da Espanha, Miguel Ángel Moratinos, pediu às autoridades do Irã que "respondam positivamente" ao pedido de diálogo feito pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, O Irã, segundo o chefe da diplomacia espanhola, "tem uma responsabilidade muito grande com a paz e a segurança na região, e as autoridades iranianas terão que responder de forma positiva a essa chamada de paz feita pela administração Obama".

Em declarações à imprensa antes da reunião, a comissária europeia de Relações Exteriores, Benita Ferrero-Waldner, também tinha expressado sua preocupação com a violência gerada no Irã depois da divulgação dos resultados das eleições.

O chefe da diplomacia europeia, Javier Solana, mostrou igual "preocupação" com a instabilidade no país.

"Continuamos prestando grande atenção nas eleições e vimos os últimos eventos com preocupação. Espero e desejo que, no final, a vontade dos cidadãos seja escutada", declarou o Alto representante europeu. EFE jms-met/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG