Os países da União Européia (UE) iniciaram nesta segunda-feira em Luxemburgo uma árdua negociação para aprovar o plano de luta contra as mudanças climáticas, cujos objetivos são questionados por vários países, que os consideram muito exigentes para suas economias.

"O pacote da maneira como está não nos agrada. É insuportável. Precisa de mudanças profundas", disse a ministra italiana do Meio Ambiente, Stefania Prestigiacomo, que participa na reunião com colegas europeus em Luxemburgo centrada no plano da UE para frear o aquecimento global.

A ministra italiana lembrou que Roma não está sozinha, já que Polônia, Hungria, Romênia, Eslováquia, os três países bálticos e a Bulgária também reclamam do projeto.

As grandes metas do plano, como foi decidido por todos os membros do bloco em março de 2007, são a redução de 20% das emissões de gases que provocam o efeito estufa até 2020 e que as energias renováveis passem a constituir 20% do consumo total europeu, que deve por sua vez ser reduzido em 20%.

Porém, a situação mudou muito em um ano e meio e o pedido de reabertura das negociações por alguns países provoca inquietações.

csg/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.