UE estuda ajuda humanitária para RDC e diz que não enviará mais tropas

Paris, 30 out (EFE).- A União Européia vai a analisar na tarde de hoje a possibilidade de prestar socorro humanitário à República Democrática do Congo (RDC) em apoio à missão da ONU, declarou hoje o ministro de Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, que afirmou que se houvesse um envio de soldados não seria para o combate.

EFE |

"A resposta deve ser uma resposta humanitária", declarou Kouchner, cujo país preside a UE até o final do ano. Além disso, ele afirmou que uma opção seria "uma ajuda que poderia ser apresentada" através do aeroporto da cidade de Goma, no final de um encontro em Paris com o Alto Representante da UE para a Política Exterior e de Segurança Comum, Javier Solana.

Sobre sua proposta de ontem de posicionar até 1.500 soldados da UE no leste do país africano, onde a crise de refugiados se agravou nos últimos dias com os combates entre o Exército e milicianos rebeldes tutsis, o diplomata francês falou do eventual recurso do que é conhecido como "grupos táticos".

Declarou que se trataria de "um apoio técnico e humanitário" à Missão das Nações Unidas na RDC (Monuc) e descartou o envio de homens para combater, após lembrar que já há 16.000 soldados da ONU na região. EFE ac/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG