UE e EUA decidem por adoção de estratégia conjunta para segurança aérea

Toledo (Espanha), 21 jan (EFE).- A União Europeia (UE) e Estados Unidos decidiram hoje na cidade espanhola de Toledo pela adoção de uma estratégia conjunta para melhorar a segurança no transporte aéreo, posta em xeque após a tentativa de atentado contra um voo nos EUA no dia 25 de dezembro.

EFE |

"O atentado frustrado do último dia 25, cometido por uma pessoa que voava da África para os Estados Unidos passando pela Europa, evidencia a natureza internacional desta ameaça", diz a declaração conjunta.

O ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, presidente em exercício do Conselho de Ministros da UE, afirmou em entrevista coletiva que o terrorismo internacional "é uma ameaça comum" e que, como tal, deve ser combatida.

O objetivo é identificar "assim que possível" as pessoas que "representem um risco" para a segurança, disse Rubalcaba.

Para isso, UE e EUA deverão aumentar a segurança dos documentos de viagem, disseminar o uso de recursos biométricos e reforçar a vigilância e a inspeção dos passageiros.

Porém, UE e EUA não concentram sua luta apenas nas pessoas, mas também nas "substâncias ilícitas" carregadas pelos supostos terroristas, ou que simplesmente tenham valor de mercadoria.

Um terceiro aspecto seria "trabalhar com outros parceiros em nível mundial para aplicar as mudanças necessárias em seus regimes de segurança aérea", segundo o ministro espanhol.

Rubalcaba informou que a UE iria acelerar os trabalhos para a configuração de um registro europeu de passageiros "para reforçar o sistema comum de segurança".

O ministro afirmou que esse registro é "fundamental" e destacou o "paradoxo" da existência de um cadastro de passageiros que voam da UE para os EUA, mas não um para os voos entre Estados-membros do bloco, "como se um terrorista não pudesse voar de Londres para Madri".

O comissário do Interior da UE, Jacques Barrot, comprometeu o Executivo da entidade a "acelerar a configuração do registro", assim como uma série de relatórios que avaliem a utilização dos scanners corporais nos aeroportos da UE.

Como reconheceram Rubalcaba e o próprio Barrot, a Comissão Europeia (órgão executivo da UE) tem que se pronunciar sobre se os scanners corporais podem ser usados sob o ponto de vista da saúde, da efetividade e das liberdades individuais antes que a UE adote uma decisão conjunta sobre eles.

Dois Estados-membros da UE, Holanda e Reino Unido, já comunicaram sua intenção de usar os scanners, enquanto a Alemanha, como reconheceu seu ministro do Interior, Thomas de Maizière, avalia a possibilidade de colocá-los em andamento até meados de 2010, à espera do resultado de relatórios e de uma decisão conjunta.

A secretária de Segurança Nacional americana, Janet Napolitano, afirmou que os EUA consideram os scanners corporais como um "elemento a mais" a favor da segurança aérea e que estão dispostos a usar.

"O scanner corporal é um instrumento que nossos países podem utilizar. Optamos por esta tecnologia nos EUA. Agora temos 40 e, no ano que vem, incorporaremos até 450", disse Napolitano.

Segundo ela, a colaboração internacional é indispensável caso se queira ter sucesso, porque a rede terrorista "Al Qaeda dedica seus melhores cérebros a burlar os sistemas de segurança".

Napolitano reconheceu que a tentativa de atentado do último dia 25 representou uma mudança de estratégia na ação terrorista, "o recrutamento de uma pessoa pensando que ela sozinha pode furar todo o esquema de segurança".

"Por isso, devemos melhorar a detecção de explosivos, de metais, de líquidos perigosos", com todos os instrumentos à mão, segundo Napolitano.

A secretária americana disse que "o scanner não foi o centro da discussão" em Toledo e que o debate foi dedicado principalmente à "maneira pela qual todos podem colaborar".

Napolitano fez questão de lembrar que, no incidente do último dia 25, "a companhia aérea era dos EUA, mas havia passageiros de mais de 17 países. Mais de cem passageiros não eram americanos e, por isso, todos os países têm algo a dizer". EFE tol-lab/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG