UE e 70 países descartam exigir da ONU missão contra pirataria

Kuala Lumpur, 19 mai (EFE).- Cerca de 70 países e a União Europeia (UE) descartaram hoje, diante da falta de um acordo, aprovar uma declaração conjunta em que inicialmente exigiam das Nações Unidas a criação de uma força naval internacional de combate à pirataria nas águas da Somália.

EFE |

A minuta da declaração, em que se fazia uma chamada à ONU para que considerasse "estabelecer uma força internacional marítima para reprimir os atos de pirataria e os roubos armados" na costa da Somália, foi rejeitada pelas divergências surgidas sobre a iniciativa.

Em resposta à falta de acordo, a conferência internacional de Kuala Lumpur, que durante dois dias reuniu especialistas do setor marítimo e delegações de 66 nações e da UE, optou por alterar a minuta da declaração conjunta para diluir o tom da exigência.

"A ONU está convidada a considerar mais adiante a possibilidade de adotar medidas conjuntas através do grupo de contato sobre a pirataria e seus grupos de trabalho, de modo a coordenar as operações de supressão dos atos de pirataria e roubos armados contra os navios diante das costas da Somália", afirmaram os países no comunicado final.

Segundo dados do Escritório Marítima Internacional, desde janeiro de 2009 a 20 de abril, os piratas fizeram em águas da Somália um total 81 ataques contra navios, enquanto em foram 115 ações.

Ao longo da conferência, vários especialistas consideraram que a força internacional marítima que combate a pirataria precisa de um padrão legal para evitar que piratas driblem o peso da Justiça.

"O que talvez seja necessário é uma ampla regra para que os navios possam entregar os piratas que são detidos para que sejam julgados em países vizinhos", disse Pottengal Mukundan, diretor do Escritório Marítimo Internacional, agência da ONU com sede na capital britânica.

UE, Estados Unidos, China, e Japão têm juntos 25 navios de guerra em águas da Somália para patrulhar cerca de 2,5 milhões de milhas quadradas. EFE mal/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG