UE diz que não há avanços com Cuba sobre direitos humanos

BRUXELAS (Reuters) - União Europeia (UE) e Cuba divergiram na segunda-feira sobre a política de direitos humanos na ilha, mas uma importante autoridade do bloco deixou claro que se opõe a qualquer tentativa de reativar as sanções que foram revogadas no ano passado. O comissário europeu Louis Michel pediu mais diálogo com o governo cubano, e diplomatas disseram que é pouco provável que o bloco retome suas sanções no próximo mês, quando vai revisar a decisão de levantá-las.

Reuters |

"Nossos pontos de vista coincidiram nos temas de mudança climática e a reforma das Nações Unidas, não na área de direitos humanos", disse o ministro de Relações Exteriores tcheco, Jan Kohout, após encontro com o chanceler cubano, Bruno Rodríguez.

"Voltamos ao assunto dos presos políticos em Cuba e seu estado de saúde, e a resposta que obtivemos é que na ilha não há presos políticos", acrescentou.

Apesar disso, Kohout afirmou que as conversas foram "um verdadeiro diálogo, não apenas dois monólogos".

Os 27 Estados membros da UE concordaram em junho em eliminar as sanções diplomáticas contra Cuba com o objetivo de encorajar reformas democráticas, mas decidiram que revisariam anualmente a medida.

"Cuba está pronta para normalizar as relações, estabelecer um novo começo nas relações entre a União Europeia e Cuba", disse Rodríguez.

O chanceler cubano afirmou que a posição comum do bloco sobre Cuba, que enfatiza as críticas aos direitos humanos, é "obsoleta".

"Foi imposta por um governo norte-americano que já não está no poder e a vejo hoje como um obstáculo para o processo de normalização", declarou ele a jornalistas.

(Reportagem de David Brunnstrom e Marine Haas)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG