papel-chave na crise nuclear do Irã - Mundo - iG" /

UE diz que Brasil tem papel-chave na crise nuclear do Irã

Madri, 16 (EFE).- A Alta Representante para a Política Externa e de Segurança Comum da União Europeia (UE), Katherine Ashton, afirmou hoje que o Brasil tem um papel-chave a desempenhar na resolução da polêmica nuclear do Irã.

EFE |

"Reconhecemos que o Brasil, como potência global, tem um papel-chave a exercer na questão", ressaltou Ashton, em entrevista coletiva após participar de uma reunião ministerial realizada hoje em Madri entre a UE e o Brasil.

Ashton insistiu na "importância de trabalhar juntos" (a UE e o Brasil) para resolver a crise do polêmico programa atômico iraniano.

Também participaram da reunião os ministros de Assuntos Exteriores do Brasil, Celso Amorim, e da Espanha, Miguel Ángel Moratinos, cujo país exerce a Presidência rotativa do bloco europeu neste semestre.

"É justo dizer que temos uma visão comum. O que buscamos são mais provas que o regime do Irã coopera. Queremos pensar que eles cumprem suas obrigações internacionais", afirmou a chefe da diplomacia europeia.

"Na perspectiva da UE, se isso não acontecer, teremos que mostrar nossa determinação para garantir que as regras sejam respeitadas", advertiu Ashton, ao incidir em que a UE e o Brasil continuarão "colaborando estreitamente sobre o Irã".

Frente à postura mais dura da UE e dos Estados Unidos, Amorim defendeu a conhecida política do Governo brasileiro, partidário do diálogo como via de resolução do problema.

"O Brasil continua disposto a favorecer esse diálogo entre a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e o Irã para garantir que o Irã tem um programa nuclear pacífico".

Além disso, o Governo brasileiro quer que a comunidade internacional tenha "a certeza de que esse programa nuclear não será utilizado para fins militares".

"Achamos que há uma oportunidade de negociação do dossiê nuclear com o Irã que respeite o direito do país a ter seu programa pacífico", reiterou o chanceler brasileiro.

Amorim manifestou essa opinião um dia depois de o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, general James Jones, dizer que os EUA apresentarão "neste mês" ao Conselho de Segurança da ONU as novas sanções contra o Irã, que poderiam provocar um "mudança de regime" no país asiático.

Teerã anunciou na semana passada o início do processo de enriquecimento de urânio a 20% na usina nuclear de Natanz, em um desafio à comunidade internacional, que, liderada pelos EUA, optou por preparar sanções mais duras contra o regime, centradas na elite dirigente desse país.

Washington está negociando com seus parceiros do Grupo 5+1 - EUA, China, França, Reino Unido e Rússia, mais Alemanha -, ideias para uma possível quarta rodada de sanções, mas Pequim mostrou-se reticente.

O assunto do Irã esteve hoje na agenda da reunião ministerial que UE e Brasil tiveram em Madri.

Com essa reunião, a UE e o Brasil ativaram o diálogo político de alto nível previsto na Associação Estratégica criada em Lisboa em 4 de julho de 2007, quando ocorreu a primeira cúpula bilateral. EFE pa/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG