UE diz que Amorim não ligou sua proposta de maior acesso do etanol brasileiro

A União Européia (UE) propôs ampliar o acesso ao mercado do etanol brasileiro, embora isso não tenha gerado grande entusiasmo do chanceler Celso Amorim, revelou o secretário europeu do Comércio, Peter Mandelson, em seu blog sobre as negociações da OMC em Genebra.

AFP |

"Em uma reunião com o chanceler brasileiro Celso Amorim, Mariann (Fischer Boel, comissária européia da Agricultura) e eu disseramos claramente que estávamos dispostos a explorar um possível acordo que daria um novo acesso significativo às cruciais exportações de etanol do Brasil", assinala Mandelson.

"Surprendentemente, dada a importância do tema para Brasília, Amorim pareceu minimizar o valor da proposta", escreve o comissário de Comércio.

Essa proposta exigiria em contrapartida "uma maior flexibilidade do Brasil a nossas exportações", acrescenta o funcionário europeu.

O Brasil demonstrou seu desejo de incluir os biocombustíveis nas negociações da OMC para ter acesso mais fácil aos mercados americano e europeu.

Entre os principais produtores mundiais de etanol, um álcool combustível extraído da cana-de-açúcar, o Brasil gostaria de desenvolver suas exportações, mas se vê limitado pelas tarifas aduaneiras impostas por Washington e Bruxelas.

Durante a reunião ministerial da OMC que acontece esta semana em Genebra, o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, abordou o assunto numa conversa com a representante americana do Comércio, Susan Schwab.

O Brasil gostaria que o etanol fosse colocado na lista dos bens ambientais nas negociações, e não mais como um simples produto agrícola, e se beneficie assim de um livre acesso ao mercado.

O Brasil produz 31% de etanol de cana, enquanto a União Européia está na origem de 60% da produção mundial de biodiesel, tirado de óleos vegetais.

ama/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG