UE deveria investir mais na América Latina, diz vice do Bird

WASHINGTON (Reuters) - Países da União Européia podem encontrar boas oportunidades de investimento na América Latina, sobretudo agora que mercados como Brasil e Peru conseguiram obter a qualificação de grau de investimento, disse na terça-feira uma alta funcionária do Banco Mundial. Segundo Pámela Cox, vice-presidente para a América Latina do Banco Mundial (Bird), a cúpula entre países europeus e latino-americanos que se realiza nesta semana no Peru pode ser uma boa oportunidade para que ambos os continentes estreitem ainda mais seus laços comerciais e promovam um intercâmbio de experiências.

Reuters |

'Seria excelente se estimulassem mais investimentos', disse Cox em um diálogo telefônico com jornalistas antes do encontro.

A funcionária afirmou que países como Espanha e Portugal mantém um grande volume de investimento na região devido a laços culturais e históricos, mas o mesmo não ocorre com os demais países do continente europeu.

Segundo ela, também seria importante que países latino-americanos com relações comerciais muito focadas nos Estados Unidos, como o México, as nações da América Central e do Caribe, buscassem diversificar suas exportações, agregando o mercado europeu.

A Europa também pode ajudar a região a combater as mudanças climáticas ao trazer suas tecnologias limpas e seus fundos de investimento verdes à América Latina, assim como ao compartilhar suas experiências para reduzir a desigualdade social, disse Cox.

'Em termos de inclusão social, a União Européia tem muito a ensinar', afirmou.

A maneira de encarar a desigualdade na América Latina, em comparação à Europa, não é tão diferente em ambos continentes, assinalou. Mas ela se torna completamente diferente quando se comparam os impostos e o gasto social nas duas regiões.

A América Latina em geral sofre porque os governos cobram poucos impostos e não têm um sistema de tributação progressiva.

A implementação de um sistema desse tipo poderia contribuir para a melhora da renda da população, afirmou Cox.

(Reportagem de Adriana Garcia)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG