UE adverte a Irã sobre agir contra cidadãos ou embaixadas europeus

Bruxelas, 8 ago (EFE).- A Presidência sueca da União Europeia (UE) mostrou hoje preocupação com o julgamento realizado no Irã e advertiu a Teerã que uma ação contra um Estado membro - seus cidadãos ou pessoal de suas embaixadas - é considerada uma ação contra todo o bloco europeu, e assim será tratada.

EFE |

A segunda audiência do processo contra mais de 100 pessoas acusadas de instigar e participar dos protestos após a reeleição de Mahmoud Ahmadinejad como presidente se concentrou em supostos agentes estrangeiros, entre eles a cidadã francesa Clotilde Reiss e dois iranianos empregados nas delegações diplomáticas francesa e britânica.

Segundo a Procuradoria, os três teriam colaborado com embaixadas estrangeiras em um plano para derrubar a República Islâmica.

Em comunicado, a Presidência sueca da UE mostrou sua preocupação com o caso e disse que o acompanhará muito de perto, e pedirá a pronta libertação das pessoas envolvidas.

"Uma ação contra um Estado membro - seus cidadãos ou pessoal diplomático - é considerada uma ação contra toda a UE, e assim será tratada", afirma o comunicado. EFE epn/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG